Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Maia defende auxílio de R$ 500 a trabalhadores informais durante crise do coronavírus

Wilson Dias/Agência Brasil
Postado em: 26/03/2020

Compartilhe esta notícia:

Danielle Brant, Folhapress

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta quinta-feira (26) auxílio de R$ 500 a trabalhadores informais afetados pela crise do coronavírus, valor superior aos R$ 300 que o governo estava disposto a conceder e aos R$ 200 da proposta inicial.

A declaração foi dada em coletiva antes da votação do projeto que prevê a concessão do benefício como forma de amenizar o impacto da crise do coronavírus sobre a renda desses profissionais.

"Se nós precisamos garantir o isolamento das famílias nós temos que dar previsibilidade, como tenho falado, e a renda para que essas pessoas passem pelos próximos 30 dias", defendeu.

Para ele, a proposta que o governo fez é pequena para atender às necessidades da população brasileira. "Eu entendo a posição do governo. O governo ainda trabalha com a questão do impacto fiscal, que, neste momento, não é a questão mais importante."

A renda ajudará a arcar com o aluguel de micro e pequenos empresários, que também terão recursos para pagar salários de seus funcionários defendeu.

O impacto estimado gira em torno de R$ 10 bilhões a R$ 12 bilhões, segundo Maia. "Mas em relação ao que o Brasil precisa investir, garantir à sociedade brasileira, é muito pouco", afirmou.

Maia defendeu ainda que se construam mais alternativas para ajudar as empresas a lidarem com a crise.
"Uma alternativa que está sendo discutida é um empréstimo de longo prazo com uma carência, com o governo sendo garantidor. O governo já garantiu certificados do sistema financeiro de forma justa em 2008", disse. "Agora está na hora de garantir o salário dos trabalhadores nesse momento de necessidade de isolamento e de paralisia da economia brasileira e mundial."

O deputado advertiu ainda que, sem essas soluções, a sociedade vai acabar saindo do isolamento. Ele reconheceu que o ideal seria um valor maior, mas defendeu que se dê um passo de cada vez.

O texto que será apreciado indica que o auxílio não poderá ser concedido a beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família. Também estão excluídos trabalhadores que recebam aposentadoria.

O auxílio também só seria concedido àqueles que tiverem renda mensal per capita de até meio salário mínimo. A renda familiar não pode superar três salários mínimos.

O benefício será dado a microempreendedores individuais, contribuintes individuais e trabalhadores informais que estivessem inscritos no Cadastro Único do governo federal até 20 de março.

Segundo o projeto, até dois membros da família poderão receber o auxílio, que será pago por bancos públicos federais em conta-poupança digital. A instituição financeira poderá abrir automaticamente a conta em nomes dos beneficiários.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Escola “Leonor Pinto Thomaz” receberá premiação nacional por projeto audiovisual

Secult promove campanha de fotos “Desfiles de 15 de agosto”

Homem atira dentro de igreja em Campinas, mata quatro e se suicida

Alunos apresentam a nova aeronave que disputará a 20ª Competição Sae Brasil AeroDesign

Bolsonaro diz que ação de Anonymous Brasil ao divulgar dados foi ‘clara intimidação’

Polícia Civil identifica autores de posts de ameaça de massacre no Sesi