Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Magoado com Lula, Ciro deve anunciar apoio crítico a Haddad

Postado em: 08/10/2018

Compartilhe esta notícia:

Gustavo Uribe, FOLHAPRESS

Magoado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, deve anunciar um “apoio crítico” na próxima quarta-feira (10) ao seu adversário do PT, Fernando Haddad.

Em reunião da executiva nacional da sigla, que será realizada em Brasília, o partido pretende fechar um apoio protocolar, definindo que o partido não ocupará cargos em um eventual governo, não participará da coordenação da campanha e fará oposição independentemente de quem seja eleito.

A legenda irá também liberar seus filiados, não aplicando punições para quem prefira se manter neutro na disputa presidencial. A única retaliação que será adotada, com a expulsão da sigla, é sobre quem anunciar adesão à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL).

“O nosso apoio é mais contra o Bolsonaro do que a favor do PT. Até porque não podemos rasgar a nossa história”, explicou o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.

A candidata a vice-presidente do partido, senadora Kátia Abreu (PDT-TO), por exemplo, disse à reportagem no domingo (7) que não pretende apoiar nem Haddad nem Bolsonaro. “Essa guerra não vai terminar bem. Não quero participar disso”, disse.

O apoio crítico deve-se ao ressentimento do partido com as articulações feitas por Lula para esvaziar a candidatura de Ciro. O PDT acusa o petista de ter atuado para impedir os apoios ao pedetista do PSB, que acabou neutro, e das siglas do centrão, que se aliaram a Geraldo Alckmin, do PSDB.

“O PT sempre foi muito desleal e a gente sempre foi muito leal com eles. Lealdade exige reciprocidade”, explicou o líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE).

A não adesão a uma gestão petista também blinda a sigla de acusações de que ela atua por interesses fisiológicos.

Os termos do acordo foram discutidos nesta segunda-feira (8), na capital cearense. A ideia é lançar Ciro candidato a presidente em 2022 no dia seguinte ao anúncio do vencedor do pleito deste ano, programando uma agenda de viagens pelo país.

“Como a tendência é de termos um país dividido, independentemente de quem vença a eleição, Ciro se consolida como um nome de postura intermediária”, disse Lupi.

No esforço de se conseguir o apoio do PDT, o PT já iniciou uma ofensiva sobre Ciro. Haddad telefonou na noite de domingo ao candidato, mesmo dia em que a presidente nacional do PT, Gleise Hoffmann, ligou para Lupi.

Nesta segunda, o ex-governador e senador eleito pela Bahia Jaques Wagner (PT) também deve entrar em contato com Cid Gomes (PDT), irmão de Ciro e senador eleito pelo Ceará. Cid é considerado um dos mais hábeis articuladores do PDT.

Em São Paulo, Ciro deve anunciar nesta semana apoio à reeleição do governador Márcio França (PSB).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Corpo de homem morto a tiros por bandidos dentro de casa é sepultado

Polícia encontra mais um corpo no Rio Tietê; SP registra terceiro caso de afogamento na semana

Em clima eleitoral, vereadores sorocabanos batem-boca em sessão virtual

OEA não descarta intervenção militar para depor presidente Maduro na Venezuela

GCM detém traficante com mais de 150 porções de drogas no Éden

Autódromo de Ímola vai ganhar mural de Kobra em homenagem a Senna