Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Lava Jato critica fala de Bolsonaro e cita ‘forças poderosas’ contra a operação

Jovem Pan News
Postado em: 08/10/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

Os membros do Ministério Público Federal (MPF) integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Paraná lamentaram nesta quinta-feira, 8, a fala do Presidente da República sobre ter “acabado” com a operação. Em discurso na noite de ontem, Jair Bolsonaro garantiu que não atua pelo fim da Lava Jato, mas que ele “acabou” com a força-tarefa, pois “não existe mais corrupção no governo”. “É uma satisfação dizer para essa imprensa maravilhosa nossa que eu não quero acabar com a Lava Jato, eu acabei com a Lava Jato, porque não tem mais corrupção nesse governo. Sei que não é virtude, é obrigação”, disse. Para os procuradores, o discurso indica “desconhecimento sobre a atualidade dos trabalhos e a necessidade de sua continuidade e, sobretudo, reforça a percepção sobre a ausência de efetivo comprometimento com o fortalecimento dos mecanismos de combate à corrupção”.

“O apoio da sociedade, fonte primária do poder político, bem como a adesão efetiva e coerente de todos os Poderes da República, é fundamental para que esse esforço continue e tenha êxito. Os procuradores da República designados para atuar no caso reforçam o seu compromisso na busca da promoção de justiça e defesa da coisa pública, papel constitucional do Ministério Público, apesar de forças poderosas em sentido contrário”, destacou em nota. Os membros da força-tarefa ainda apontaram que a operação é “uma ação conjunta de várias instituições de Estado no combate a uma corrupção endêmica e, “conforme demonstram as últimas fases dos trabalhos, ainda se faz essencialmente necessária”.

Operação na Petrobras

Nesta quarta-feira, a Polícia Federal (PF) cumpriu três mandados de busca e apreensão na cidade do Rio de Janeiro pela 76ª fase da Operação Lava Jato. As ações buscam aprofundar investigação que apura pagamento de propina e práticas criminosas cometidas na diretoria de Abastecimento da Petrobras, especificamente na Gerência Executiva de Marketing e Comercialização. As apurações sobre casos de propina na estatal tiveram início após a Operação Sem Limites, deflagrada em 2018, na 57ª fase da Operação Lava Jato. Na época, foram cumpridos mandados de prisão, buscas e apreensão contra integrantes da organização criminosa, responsável por crimes envolvendo a negociação de óleos combustíveis e derivados entre a estatal e trading companies estrangeiras. Após as ações, executivos de empresas estrangeiras investigadas celebraram acordos de colaboração premiada com o Ministério Público Federal (MPF) e delataram que funcionários da Petrobras recebiam vantagens indevidas para favorecer negociações de compra e venda de bunker e diesel marítimo. Além disso, segundo as investigações, os empregados também dividiam os valores de propina com agentes públicos da Gerência Executiva de Marketing e Comercialização.

 

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

GCM dispersa aglomerações em 13 pontos da cidade durante a Sexta-feira Santa

Novo pedido de cassação de Crespo será protocolado entre esta terça e quarta

Governo de SP determina luto no Estado por vítimas do coronavírus

Sobe para quatro número de mortos em acidente grave na rodovia Raposo Tavares

Homem com moto furtada colide em viatura da GCM

Prefeitura e Santa Lucinda assinam convênio, mas 20 leitos só estão disponíveis semana que vem