Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Justiça condena mulher a 25 anos de prisão por matar filho gay

Postado em: 28/11/2019

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

A Justiça condenou a 25 anos e oito meses de prisão Tatiana Ferreira Lozano Pereira, a mãe acusada de matar a facadas o filho, Itaberlly Lozano, 17, em Cravinhos, região de Ribeirão Preto. De acordo com a promotoria, a motivação do crime seria homofobia, pelo fato de Itaberlly ser homossexual. 

O caso ocorreu em 29 dezembro de 2016, mas o corpo do jovem só foi encontrado em um canavial em 7 de janeiro do ano seguinte. O júri também condenou Victor Roberto da Silva, 21, e Miller da Silva Barissa, 20, acusados de participarem do plano para assassinar o jovem, a 21 anos e oito meses de reclusão. 

As defesas de Tatiana, Victor e Miller informaram que vão recorrer das sentenças.

O padrasto de Itaberlly, o tratorista Alex Canteli Pereira, que seria julgado por ter ajudado a colocar fogo no corpo do enteado e depois na ocultação do cadáver, foi dispensado do júri porque o advogado Hamilton Paulino Pereira Júnior, o mesmo de Tatiana, renunciou à defesa dele, alegando conflito de interesses. Alex será julgado em nova data.

Após dois dias de julgamento e um processo de 1.600 páginas, Tatiana foi condenada pelos crimes de homicídio, corrupção de menores e ocultação de cadáver. Victor e Miller foram condenados pelos crimes de homicídio e corrupção de menores. Tatiana já cumpre a pena na penitenciária de Tremembé. 

"A sentença foi justa e alcançamos o nosso objetivo nesse processo longo e difícil. Foram ouvidas 20 testemunhas (além dos acusados). Foi uma vitória para a sociedade, acima de tudo, e para os amigos e familiares que gostavam de Itaberlly", afirma o promotor do caso, Eliseu Berardo. 

A investigação, apontou que Tatiana e e a vítima brigaram na segunda quinzena de dezembro e o jovem foi morar com a avó paterna. 

De acordo com a Promotoria, no dia do crime, Tatiana atraiu o filho para casa com a ajuda de uma adolescente, de 16 anos, e dos réus Victor e Miller.

Segundo a versão policial, a mãe ligou para o filho no dia do crime e simulou ter feito as pazes e combinou com Miler e Victor para que eles fossem buscar Itaberlly na casa da avó e o levassem até a casa da mãe. Quando entraram na garagem, emboscaram o jovem e teriam começado a espancá-lo. 

Os dois acusados teriam espancado Itaberlly, mas a mãe o matou com uma facada no pescoço. O marido a teria ajudado a levar o corpo até um canavial, na Rodovia José Fregonezi, em Cravinhos. A adolescente cumpre medida socioeducativa na Fundação Casa.

Apesar de o crime ter sido cometido em Cravinhos, houve um pedido de desaforamento da defesa para que a Justiça daquela cidade não fosse a responsável pelo julgamento do caso devido à intensa repercussão em Cravinhos.

"Todos foram condenados a pena máxima. Para nós, fica a sensação de justiça", disse o advogado de acusação Wagner Severino Simões. Ele foi contratado pela família de Itaberlly.

O advogado de defesa de Tatiana, Hamilton Pereira Júnior, informou que já entrou com recurso e que recorre da decisão para pelo menos diminuir a pena. De acordo com Wagner Simões, pela sentença, Tatiana deve cumprir no mínimo dez anos em regime fechado.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Convenção em SP reúne quem duvida que a Terra seja esférica

Homem de 24 anos é preso ao tentar furtar panelas e brinquedos de escola municipal

Trabalhadores madrugam na fila em busca de vaga em mutirão de empregos

Gilmar suspende ação da Lava Jato contra Serra

Profissionais do Hospital de Campanha recebem homenagem após alta de paciente

Menino de 4 anos morre após ter pescoço cortado por linha de pipa