Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Jovem que teve testa tatuada após invadir pensão é condenado a 4 anos de prisão

Postado em: 11/09/2019

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

O jovem que ficou conhecido por ter sido tatuado na testa com a frase “Eu sou ladrão e vacilão” foi condenado na terça-feira (10) a quatro anos e oito meses de prisão em regime semiaberto. A sentença é por uma tentativa de roubo ocorrida em fevereiro deste ano.

Em 2017, na ocasião em que foi tatuado, o jovem Ruan Rocha da Silva invadiu uma pensão em São Bernardo do Campo (Grande SP) e foi flagrado por dois moradores no que seria a tentativa de roubo de uma bicicleta. Os homens o interceptaram e tatuaram a frase na testa de Ruan, então com 17 anos.

Na época o rapaz admitiu ser dependente químico -usuário de crack – e disse estar “muito bêbado”. Os dois homens que o tatuaram foram presos por lesão corporal gravíssima e constrangimento ilegal. Ruan, por sua vez, foi internado em uma clínica de reabilitação e teve um tratamento estético para a remoção da tatuagem oferecido gratuitamente.

Na madrugada do último dia 14 de fevereiro, o jovem entrou em um posto de saúde e pegou um celular no valor de R$ 500, uma blusa de moletom e mais R$ 20,30 de uma sala dos funcionários. Foi flagrado por uma das funcionárias ao sair da sala e detido, com a ajuda de um segurança.

No boletim de ocorrência, Ruan foi identificado pelo escrivão e a delegada do 1º DP de São Bernardo como “ladrão e vacilão” no campo “vulgo”. Para o advogado e conselheiro do Condepe (conselho estadual de direitos humanos), Ariel de Castro Alves, a conduta é uma violação dos agentes de segurança. “Seria uma forma até de apologia às torturas que o rapaz sofreu”, diz.

Segundo depoimento de Ruan à Justiça, ele entrou no posto para se abrigar da chuva e realizou o furto porque estava sob efeito de drogas. Na sentença desta terça, a juíza Sandra Regina Nostre Marques, da 1ª vara criminal de São Bernardo, afirma que um “eventual abrandamento da pena não será suficiente para dissuadi-lo de novas investidas criminosas”, e cita o seu histórico, que além do caso da tatuagem inclui um furto de desodorantes em Mairiporã (Grande SP), onde fez tratamento de reabilitação, e uma receptação quando adolescente.

Ariel de Castro Alves afirma que a Justiça “falhou em não observar que ele é um doente e comete crimes por causa da dependência de drogas”. Segundo Ariel, o vício de Ruan é “público e notório”, e por isso poderia ser pedido um exame pela Defensoria Pública ou pela Promotoria para comprovar a sua dependência. “Ele iria para tratamento. No sistema prisional ele não vai se recuperar, muito pelo contrário”, afirma.

Da decisão da Justiça cabe recurso.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Castello-Raposo registra 52 acidentes, 20 feridos e nenhuma morte no Natal

Rodas de conversa com o grupo teatral Nativos Terra Rasgada - veja a coluna de José Simões

Fiscalização e GCM flagram distribuição ilegal de frutas a ambulantes em terminal de ônibus

Vacinas Oxford/AstraZeneca já estão com Ministério da Saúde

PM sai para prender condenado por roubo e o flagra também com drogas na Vila Haro

USP busca voluntários para testar vacina contra HIV