Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Itália prende médico suspeito de matar pacientes com Covid para liberar leitos

Foto: Reuters/Flavio Lo Scalzo/direitos reservados
Postado em: 30/01/2021

Compartilhe esta notícia:

Michele Oliveira, FOLHAPRESS


A Itália vivia o auge da primeira onda da pandemia do coronavírus quando, em março, enfermeiros do hospital de Montichiari, na província de Bréscia, no norte do país, notaram que o médico responsável pelo pronto-socorro adotava uma prática totalmente fora dos protocolos: a aplicação de doses mortais de remédios inapropriados em pacientes internados com sintomas graves da Covid-19.


O caso se tornou público na última segunda (25), depois que Carlo Angelo Mosca, 47, recebeu ordem de prisão preventiva domiciliar, suspeito de ter matado intencionalmente pacientes com o anestésico propofol e succinilcolina, um bloqueador neuromuscular. Essas substâncias potentes são indicadas para situações de intubação pela traqueia, procedimento a que as vítimas não foram submetidas.


Nesta sexta (29), Mosca foi interrogado por duas horas e meia no Tribunal de Bréscia. Ele negou as acusações e, segundo seus advogados, deu esclarecimentos. Pouco antes das 10h, o médico chegou andando sozinho e foi cercado por jornalistas e câmeras, a quem se limitou a dizer, em voz baixa: "Sou inocente".


No entanto, a juíza Angela Corvi, que aceitou o pedido do Ministério Público para a prisão domiciliar, justificou sua decisão dizendo reconhecer "graves indícios" de que Mosca cometeu homicídio doloso qualificado em ao menos dois pacientes.


A investigação, que começou em maio, levantou evidências de que as mortes de Natale Bassi, 61, e Angelo Paletti, 79, foram causadas pelas doses fatais aplicadas pelo médico entre 20 e 22 de março.


Naqueles dias, o norte da Itália vivia o auge da primeira onda da pandemia, com números crescentes de novos contaminados e recordes de mortes diárias -em 22 de março, foram registrados 651 óbitos causados pela Covid-19. A província de Bréscia era, então, a segunda mais atingida em todo o país, atrás somente da de Bérgamo, ambas na Lombardia.


Foi a época mais aguda da emergência sanitária na Itália, o primeiro país do Ocidente a identificar casos de contaminação interna e a decretar um rígido lockdown nacional obrigatório, como medida para diminuir a circulação do vírus. Ainda hoje, a Itália está entre os mais atingidos e soma 87 mil mortos, sexto lugar em números absolutos.


Além da falta de conhecimento sobre como se comportavam o vírus e a doença, a primeira onda foi marcada pela escassez de leitos, equipamentos, máscaras cirúrgicas e testes.


Segundo o próprio Mosca declarou em junho, em entrevista ao jornal Corriere della Sera, o hospital de Montichiari, cidade com pouco mais de 25 mil habitantes, chegou a ter 570 pacientes de Covid-19 internados na fase 1, o que exigiu a ocupação de um refeitório com 30 leitos.


No mesmo período, enfermeiros e operadores sanitários começaram a notar que o médico estava adotando um comportamento impróprio. Diante de casos graves que entravam no pronto-socorro, Mosca pedia que alguém buscasse um ou os dois medicamentos e os aplicava quando estava sozinho. No caso do paciente Bassi, ele pediu que a equipe saísse da sala de emergência.


"Poucos minutos depois, a funcionária voltou, percebendo a morte de Bassi, naquele momento desacompanhado de membros da equipe. O óbito foi declarado pela doutora [nome omitido], que indicou no prontuário ´repentina parada cardio-circulatória´", diz o documento assinado pela juíza, com base na investigação.


No caso de Paletti, funcionários encontraram e fotografaram embalagens vazias dos fármacos na manhã seguinte à morte do paciente, ocorrida durante o plantão do médico suspeito.


A investigação teve como ponto de partida a denúncia anônima de um dos enfermeiros, no fim de abril. Em princípio, foram alistadas quatro vítimas. Três corpos foram exumados -o quarto paciente foi cremado.


A análise toxicológica dos restos mortais de Paletti é uma das evidências mais contundentes, já que foi comprovada a presença do propofol em órgãos e tecidos, "em quantidade suficiente para causar o óbito".


O propofol é um anestésico usado para casos de sedação e que tem como um dos efeitos "uma depressão respiratória severa". Foi esse o medicamento encontrado no corpo do cantor Michael Jackson, morto em 2009. Já a succinilcolina é um relaxante neuromuscular aplicado em anestesia para facilitar a intubação traqueal. Segundo o parecer técnico, "seu efeito paralisante depende da dose".


A investigação conduzida pelo Ministério Público revela que houve consumo "anômalo" dos dois fármacos entre janeiro e abril do ano passado. Entre novembro de 2019 e abril de 2020, foram realizadas cinco operações de intubação traqueal no PS do Montichiari. No entanto, os pedidos de propofol e succinilcolina à farmácia central cresceram 100% e 70%, respectivamente, entre janeiro e abril.


Em nenhum dos prontuários clínicos dos pacientes a quem o médico teria administrado os remédios consta a comunicação dessas terapias, o que o torna suspeito de outro crime -falsidade ideológica cometida por funcionário público.


Em seu despacho, a juíza afirma que não é possível supor que Mosca tenha agido a pedido ou com o consenso dos dois pacientes. "Ele administrou as substâncias não por uma intolerável leviandade, imprudência ou efeito de uma indesculpável inexperiência, mas sim na plena consciência dos pressupostos de sua conduta e com intenção de matar."


Mais adiante, a magistrada diz ser "verossímil" que o investigado estivesse "determinado a matar movido pela vontade de ´liberar´ não só leitos, mas também recursos instrumentais e energias humanas, físicas e emotivas dos colegas médicos, dos enfermeiros e dos outros operadores do pronto-socorro".


Na mesma entrevista de junho, em que comentava os piores momentos da primeira fase da pandemia, Mosca contou que assim que a circulação do vírus foi identificada na Itália, no fim do fevereiro, ele decidiu se instalar em uma espécie de pousada, para não correr o risco de contaminar a mulher e a filha, então com 7 anos.


Ficou assim até o início de maio, por mais de dois meses sem ver a família, que mora na cidade de Mântova. Sobre essa distância, afirmou: "Foi um erro, agora me dou conta".


Depois do interrogatório desta sexta, o Ministério Público deve fazer novas apurações de acordo com as respostas dadas pelo médico. Ele ainda não é considerado réu, porque a investigação ainda está em fase preliminar.


Assim que a prisão preventiva foi decretada, Mosca foi suspenso de suas funções. Em nota, a administração do hospital classificou as acusações como graves e disse que está colaborando com as autoridades. A Ordem dos Médicos da Província de Bréscia ressalta que "se trata de uma investigação, não de uma sentença" e que, embora muito grave, é ainda uma "hipótese de crime".

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Operação Dignidade aborda 17 pessoas em situação de rua em Sorocaba

Engenheira morre baleada em tentativa de assalto na zona sul de São Paulo; dupla não foi presa

Prefeitura de Sorocaba recebe propostas de ações públicas sugeridas por jovens na Câmara

Emissário de esgoto danificado leva mais de 15 dias para ser substituído no Jardim Marli

Ônibus em Sorocaba podem paralisar novamente a qualquer momento, alerta sindicato

Bolsonaro completa um mês sem parabenizar Biden por vitória nos EUA