Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Guedes defende flexibilizar legislação trabalhista para atender vulneráveis

Pedro Ladeira/Folhapress
Postado em: 08/12/2020

Compartilhe esta notícia:

Fábio Pupo, da Folhapress

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta terça-feira (8) a flexibilização da legislação trabalhista para atender a população de vulneráveis identificada durante a pandemia. Ele afirma que a iniciativa, chamada pelo governo de carteira de trabalho verde e amarela, necessita de consenso.

"Vamos continuar ignorando essa legião de brasileiros ou temos de alguma forma, em alguma legislação, que reconhecê-los?", afirmou em evento do IEJA (Instituto de Estudos Jurídicos Aplicados).

"Temos que reconhecer o direito à existência desses brasileiros. Eles não conseguiram sobreviver com o quadro de legislação existente. Foram excluídos, então não não vamos tirar direito de ninguém. Como a gente cuida deles? Será que não precisamos de um regime extraordinário?", disse Guedes citando o contrato verde e amarelo.

Segundo o ministro, isso jamais será feito sem que outros Poderes sentem e analisem a proposta em conjunto. O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, estava no palco e ouviu o discurso.

Guedes também falou sobre o crescimento dos valores pagos pelo governo em precatório (dívidas devidas pelo poder público reconhecidas pela Justiça). Segundo ele, o Brasil estaria sendo destruído pelo que chamou de indústria predatória.

"Alguém está fazendo uma besteira em algum lugar. Tem alguém fazendo coisa errada por aí e gerando esse passivo explosivo", afirmou Guedes.

O titular da equipe econômica ainda defendeu cuidado nas decisões tomadas pelo Judiciário que envolvem recursos a serem pagos pela União. "Examinem com cuidado, olhem com atenção", disse.

"Se for para pagar, vamos. Mas observem se a dimensão jurídica não está sendo jogada contra o país", afirmou Guedes, que afirmou acreditar na cooperação entre Poderes.

Antes de Guedes, Fux havia feito um discurso em que destacou decisões tomadas pelo Judiciário durante a pandemia, como a flexibilização de acordos trabalhistas, e defendeu que o momento é de consenso.

Guedes não comentou a proposta de flexibilização do teto de gastos que circulou nesta segunda-feira (7) no Congresso.

Mais cedo, o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou que "hoje" a decisão é de não mudar o teto. Ele diz que o responsável pelo texto final, o senador Marcio Bittar (MDB-AC), está discutindo o formato com colegas.

"Está sendo discutido [o relatório final], o relator é o senador Marcio Bittar. Acho que ele começou a distribuir textos para os líderes, fazendo uma discussão antecipada de alguns pontos. Está aferindo o texto e deve apresentar definitivamente nesta semana, para que na semana que vem comece a ser apreciada pelo Senado", disse Gomes.

Gomes reiterou o discurso da equipe econômica, de que não haverá mudança no teto. "Não há flexibilização do teto. Essa é uma matéria que não será discutida, não será modificado no próximo ano", disse.

Pouco depois, no entanto, disse que a decisão contra a flexibilização pode mudar. "Não haverá sob hipótese nenhuma análise no Congresso de flexibilização do teto. Essa é a decisão hoje. Pode ser que mude amanhã, mas hoje é isso", afirmou.

Segundo ele, o governo vai buscar espaço no teto por meio de reformas. E citou a reforma tributária, a administrativa e outros projetos. Ele afirma que daqui até o fim do ano o Congresso fará esforço concentrado pela votação de temas como vetos presidenciais e o PLDO (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Justiça dos EUA dá sinal verde para que Trump construa muro

"Políticos fazem jogos mesquinhos", ataca Jaqueline sobre pedido de volta de cultos

Motorista bate carro ao desviar de colchão na rodovia Raposo Tavares

Guarda Civil Municipal prende homem com 128 porções de drogas no Éden

Sorocaba deverá receber recursos federais para construção do Complexo Hospitalar

Câmara aprova isenção de ISSQN para Cooperativas de Radiotáxi e prestadores de serviço de transporte escolar