Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Governo monitora 150 pessoas que tiveram contato com sorocabano morto em decorrência de febre hemorrágica

Postado em: 22/01/2020

Compartilhe esta notícia:

O Ministério de Saúde está monitorando cerca de 150 pessoas que tiveram contato com o paciente que morreu vítima de febre hemorrágica após contrair o arenavírus.

O vírus, que não é considerado novo no país, é similar ao chamado Sabiá vírus, que matou quatro pessoas no Brasil nos anos 90. O secretário de Vigilância Sanitária, Júlio Corda, não soube dar detalhes do porque o vírus voltou, mas garantiu que os casos de contágio direto ocorreram por meio de roedores selvagens em ambientes rurais.

Ele também afirmou que, por enquanto, não há alerta para a população quanto a precauções contra o vírus. Segundo Júlio Corda, quem corre os maiores riscos são os profissionais de saúde, especialmente os que tiveram contato com o paciente que morreu.

“Alertar os profissionais de saúde que tiveram um contato mais íntimo com essa secreção, e que a gente monitore, junto com a secretaria estadual de saúde, esses contatos. A gente entende que é um evento raro, pontual, mas que a nossa intervenção é importante, principalmente nesses contatos em profissionais de saúde”.

O contágio de humano para humano é por meio de secreção, sangue, urina e saliva.

O secretário também destacou que não existe relação da febre hemorrágica com os casos do novo vírus da China, que é o coronavírus.

A vítima é um pintor de 52 anos, morador do bairro Vila Carvalho. A Secretaria Municipal da Saúde não divulgou o nome dele. Ele faleceu após 12 dias da internação.

Os sintomas da doença se assemelham aos da febre amarela: febre, dor de garganta, tontura e dores musculares.

O Ministério da Saúde também informou que planeja ir aos lugares onde essa vítima passou e identificar se há relatos de roedores silvestres nesses locais.

Originalmente, o arenavírus pode ser encontrado em roedores silvestres, e sua transmissão a seres humanos se dá por contato com saliva, urina ou as fezes desses animais.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Fase de transição pode desacelerar melhora em índices e é difícil de controlar, dizem especialistas

Recuperação no asfalto vai interditar novo trecho no entorno da Rodoviária nesta madrugada

Papa Francisco apela para que todos contribuam para o bem comum

Receita: Waffles

‘Crespo no Buraco’ reaparece em mais bairros de Sorocaba: “deplorável”

Brasil é o país que mais pesquisa a palavra homofobia na internet