Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Governo de SP considera ter respaldo para reabrir escolas, mas avalia estratégia para conter pânico

Arquivo
Postado em: 17/07/2020

Compartilhe esta notícia:

Laura Mattos, da Folhapress

Diante do pânico gerado pela projeção de um matemático que estima a morte de 17 mil crianças com a retomada das aulas presenciais no Brasil, o governo de SP chegou à conclusão de que tem respaldo científico para manter o plano da educação, que estipula que as escolas serão reabertas quando todas as regiões do estado tiverem completado 28 dias na fase amarela, a terceira da retomada, com uma previsão de que isso se dê em 8 de setembro.

O governador João Doria convocou o secretário de Educação, Rossieli Soares, para participar da entrevista coletiva sobre a pandemia que acontece hoje, às 12h45, a fim de conter a crise. Na quinta-feira (17), os membros do governo fizeram uma reunião para debater o tema.

Nesta manhã, houve um encontro para alinhar a pauta da entrevista coletiva e o peso político de manter o plano.

Um discurso que contemple a eventualidade de algum recuo poderá ser adotado por ora para amainar o pânico. Rossieli, no entanto, segundo a reportagem apurou, acredita que, até setembro, se as regiões avançarem na saída da pandemia, será possível reabrir as escolas, apesar do medo natural que pais, alunos e professores terão de enfrentar na retomada.

Nesta semana, o hit dos grupos de WhatsApp foi a declaração do matemático Eduardo Massad, da Fundação Getúlio Vargas, estimando que a reabertura das escolas no Brasil levaria 17 mil crianças a morrer.

Nesta quarta-feira, diante da repercussão do estudo, João Gabbardo, coordenador executivo do centro de contingência Covid-19 de São Paulo, afirmou que o governo iria reavaliar o plano de retomada das escolas.

No final de junho, o jornal Folha de S.Paulo perguntou a Rossieli sobre um outro estudo matemático, realizado em diversos países e publicado pela revista científica "Nature", que aponta que as crianças têm baixa chance de se contaminarem com o vírus e que isso pode explicar o fato de o fechamento das escolas não ter contido o avanço da doença.

Ele ponderou que o estudo era quantitativo, que há muitas pesquisas sendo feitas e que o governo não poderia se basear em algumas delas, apesar de realmente haver muitos indícios de que o risco seja baixo para crianças. "Imagine eu na entrevista coletiva dizendo que iria reabrir porque vi esse estudo na Nature", afirmou.

Já a projeção da FGV, que segue na contramão e fala em morte de crianças, ainda que não cancele a reabertura das escolas, certamente dará respaldo ao governo para conter a pressão de colégios particulares para voltarem às aulas presenciais antes do prazo estipulado pelo plano, com o argumento de que têm mais condições de implementar os protocolos de segurança.

O medo gerado por esse cálculo deve também reforçar a resistência dos pais, 76% deles favoráveis a se manter as escolas fechadas durante a pandemia, segundo Datafolha realizado no fim de junho.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Bolsonaro insulta repórter da Folha de S.Paulo com insinuação sexual e depois culpa imprensa

Campanha de arrecadação de alimentos vai ter drive-thru neste sábado

Em meio a agravamento da pandemia, prefeitura cancela Réveillon virtual de São Paulo

Estudante de 20 anos morta em acidente com van de universitários era fotógrafa em Sorocaba

Najila Trindade, que acusou Neymar, passa de vítima de estupro a investigada em SP

Trump diz que vai retomar tarifas de aço e alumínio do Brasil e da Argentina