Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Ex-Seccional que comandou na Polícia Civil operação "Casa de Papel" dispara: "vão pagar caro"

À esquerda, delegado ex-Seccional Marcelo Carriel, responsável pela operação "Casa de Papel"; à direita, prefeito cassado José Crespo, considerado pela investigação como "líder de organização criminosa"
Postado em: 11/03/2020

Compartilhe esta notícia:

O delegado da Polícia Civil que foi titular da Delegacia Seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, e comandou a Operação "Casa de Papel", divulgou, nesta terça-feira (10), um curto vídeo em que enaltece o trabalho feito pelo Ministério Público, por meio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial em Combate ao Crime Organizado), que denunciou o desvio de dinheiro público e corrupção ocorrido no Governo Crespo. 

No vídeo, de 30 segundos, Carriel relembra que a Polícia Civil iniciou a operação. "Se não fosse isso, nada teria acontecido. Ninguém teria se responsabilizado e a organização criminosa não teria sido descoberta". 

 

Já sobre a denúncia feita pelo Gaeco e os 18 indiciados, entre eles Crespo, o ex-Seccional comenta: "Agora, quando houver e se houver o recebimento da denúncia criminal, todos [os indiciados] vão responder muito caro pela sangria dos cofres públicos daqui de Sorocaba. Vai pagar caro". 

 

Assista

 


Durante a apresentação e detalhamento da denúncia realizado nesta terça, a promotora responsável pela investigação, Maria Aparecida Castanho, inclusive, citou que o prefeito cassado de Sorocaba, José Crespo, é considerado o líder da organização criminosa que atuava com fraudes e desvio de dinheiro público. 

 

Gaeco denuncia corrupção no Governo Crespo

A promotora do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), Maria Aparecida Castanho, informou, durante entrevista coletiva nesta manhã de terça-feira (10), que os indiciados na Operação "Casa de Papel", entre eles o prefeito cassado José Crespo (DEM), podem ser presos caso descumpram as medidas cautelares impostas pela Justiça. 

O Ministério Público concluiu que houve corrupção cometida pelo Governo Crespo. Com esta etapa encerrada, a promotora informou que irá aguardar o posicionamento dos acusados e esperar a instrução do processo.

Questionada sobre quem seria o chefe da quadrilha, a promotora respondeu que "foi atribuído a ele [Crespo] o comando da organização". "O dono do cofre é o prefeito. Ele teria que saber disso [dos crimes ocorridos dentro da prefeitura]. Você tem que ter conhecimento como ordenador de despesa. Se alegar que não tem conhecimento, também não pode, tá na lei", declarou ela.

Medidas cautelares

Algumas das medidas, explicou a promotora, são a proibição de sair do país e entrega de passaportes, o comparecimento obrigatório regular a todos os atos processuais sem tentativa de procrastinar os mesmos (como apresentações de atestados médicos), a restrição de idas à Prefeitura de Sorocaba (somente sob autorização da Justiça) e conversar com testemunhas arroladas no processo, além de comparecimento mensal em juízo, e não mudar de endereço sem avisar antes a Justiça. 

Além de Crespo, que foi denunciado por organização criminosa, crime continuado, corrupção passiva continuada,   outras 17 pessoas foram indiciadas na operação, entre elas secretários municipais, agentes públicos e empresários.


Tatiane Pólis


Maria Aparecida também citou o nome da então voluntária do prefeito cassado, Tatiane Pólis. De acordo com ela, foi comprovado na investigação que a "voluntária" cometeu crime de usurpação de função pública. Mesmo sem cargo na Prefeitura, Tatiane recebia salário com dinheiro público. Apesar da confirmação, não foi informado o valor que era pago a ela.

Fraudes e superfaturamento

"A pessoa tinha um salário e, às vezes, movimentava o triplo, quádruplo, até 10 vezes mais do que ganhava. Se ela não conseguia comprovar de onde vinha esse dinheiro, é considerado dinheiro de corrupção", enfatizou a promotora. 


No total, foram apurados 18 tipos de fraude de licitações públicas. A promotora informou também que os acusados faziam reuniões tanto dentro da prefeitura, quanto em um gabinete fora dela. 

O Gaeco também informou que uma empresa chamada Strategie chegou a ser contratada diretamente pela DGentil, empresa de publicidade contratada com dinheiro público. O objeto era a realização de pesquisas de cunho eleitoral para obter dados sobre uma possível campanha eleitoral para o prefeito cassado.


Decisão aguardada do STF sobre volta de Crespo


Maria Aparecida Castanho respondeu sobre a dúvida de que, caso o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes, conceda liminar para Crespo voltar como prefeito, como ficariam as medidas cautelares expedidas pela Justiça de Sorocaba. Segundo ela, o processo subiria ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Outra ação seria pedir a manifestação do promotor de Justiça do Patrimônio Público. 



Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Semáforo piscante: "voluntário da camisa amarela" ajuda motoristas no trânsito na Zona Norte

Bolsonaro aciona Moro para que Polícia Federal investigue citação de seu nome no caso Marielle

Discussão em posto de combustíveis em Votorantim termina com PM baleado

Vazamento interrompe abastecimento na região de Brigadeiro Tobias

Irmãos morrem em acidente de moto na Raposo Tavares; Motorista de carro teria feito conversão perigosa

Casal suspeito de tráfico de drogas é detido ao tentar fugir de abordagem na Zona Oeste