Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Empresário de 47 anos suspeito de pedofilia é preso na Zona Sul de Sorocaba

Postado em: 28/03/2019

Compartilhe esta notícia:

Um empresário de 47 anos foi preso em flagrante, nesta manhã de quinta-feira (28), na Zona Sul de Sorocaba, suspeito de crime de pedofilia, dentro da operação “Luz Na Infância 4”, operação nacional da Polícia Civil contra abuso e exploração sexual infantojuvenil praticados na internet.

O detido foi encaminhado à DIG (Delegacia de Investigações Gerais) para ser ouvido pela delegada-titular Luciane Bachir. De acordo com ela, o empresário é suspeito de armazenar imagens pornográficas envolvendo adolescentes.

Não há informações da identidade do suspeito.

Operação Luz na Infância

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a Polícia Civil do Estado de São Paulo participada Operação “Luz na Infância 4”, que cumpre 92 mandados de busca e apreensão no Estado. A força-tarefa coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MSP) envolve Polícias Civis do Distrito Federal e de 26 Estados.

A Polícia Civil, em conjunto com o Ministério da Justiça, realizou nesta quarta-feira (28) a quarta edição da Operação “Luz na Infância” que prendeu 60 pessoas no Estado de São Paulo. A ação foi realizada com o intuito de combater a pedofilia, o abuso e a exploração sexual de crianças e jovens, praticados por meio da internet.

No Estado de São Paulo foram cumpridos 92 mandados de busca e apreensão, mobilizando 458 policiais e 155 viaturas. Ao todo 60 pessoas foram presas em flagrante durante a ação, que teve como objetivo não só punir os responsáveis que acessavam e compartilhavam o material, mas também coibir a prática desse crime.

O delegado geral Ruy Ferraz Fontes ressaltou a importância de ações integradas no combate ao crime. “Nós, em conjunto com as demais polícias civis do Brasil conseguimos, com muita intensidade, atuar contra a prática de um delito tão vil como é esse da pedofilia”, afirmou.

Durante a ação foram apreendidos dezenas de microcomputadores, pen drives e objetos relacionados. Todo o material recolhido foi encaminhado ao Instituto de Criminalística (IC) para perícia e, após análise, será apresentado à Justiça.

A atuação de campo reforçou a ideia de punição a todos os envolvidos. “Na medida do nosso alcance, todos os casos serão identificados, é muito difícil escapar da rede que nós lançamos na internet com os sistemas que temos de pesquisa”, explicou o delegado geral.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Inscrições para as oficinas culturais on-line de agosto acabam nesta segunda

Saae suspende corte de água pelos próximos 90 dias por causa do coronavírus, diz diretor da autarquia

Vereador quer mudar horário de sessão às terças-feiras na Câmara Municipal de Sorocaba para 17h

Bandidos furtam fios de energia e prejudicam CEI no Parque São Bento

Mais de 250 detentos que fugiram do CPP de Porto Feliz são recapturados, informa governo estadual

Plenário da Câmara começa a discutir reforma da Previdência nesta terça