Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Em reunião, Geraldo Alckmin interrompe João Doria e insinua que é traidor

Postado em: 09/10/2018

Compartilhe esta notícia:

Thais Bilenky, Daniela Lima e Thais Arbex, FOLHAPRESS

Em reunião fechada da executiva do PSDB, nesta terça-feira (9), em Brasília, Geraldo Alckmin enfrentou João Doria. Segundo relato de três diferentes fontes presentes ao encontro, Alckmin interrompeu Doria e disse que não era um traidor.

Alckmin reagiu no momento em que Doria cobrou uma reavaliação do partido.
À Folha de S.Paulo, na saída, Doria disse que a reunião terminou “em paz e sem ressentimentos”. “Não saio com nenhuma mágoa”, afirmou.

Candidato ao governo paulista, Doria está em uma ofensiva para tirar Alckmin do comando nacional do PSDB. O ex-prefeito disputa o governo paulista e quer tomar controle do partido, aproveitando-se da derrota de Alckmin na eleição presidencial.

Desde domingo, quando o prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, aliado de Doria, defendeu que Alckmin deixe a presidência do PSDB, o grupo do candidato a governador se movimenta para enfraquecer adversários internos.

O diretório municipal expulsou Saulo de Castro, aliado de Alckmin, e Alberto Goldman, próximo a Serra. A executiva nacional desautorizou o ato.

Para encerrar a reunião, Alckmin citou Mario Covas. “Eleição a gente perde e a gente ganha, o importante é estar do lado certo.”

Ele afirmou que a derrota não foi apenas do PSDB, “a falência é da política”. Citou como exemplo a derrota de Paulo Skaf (MDB) na disputa pelo governo de São Paulo, no primeiro turno.

“O MDB é o partido mais forte do estado e não foi nem para o segundo turno. É um fenômeno atípico.”

Alckmin afirmou que “não há nada mais passageiro que momentos eleitorais. Temos que ter coerência”, cobrou.

Ele disse que foi a sétima assinatura da fundação do PSDB e que sua candidatura era para se distinguir da do PT e de Jair Bolsonaro (PSL). “Saímos para fazer a diferença.”
Presidente nacional do partido, Alckmin informou que o PSDB não apoiará nem o PT nem o Bolsonaro e os líderes estão liberados regionalmente.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

“Vingadores: Ultimato” volta aos cinemas com cenas extras e em busca de recorde

Secretário da Cultura pede exoneração após ‘Casa de Papel’

Prefeitura abre inscrições para cursos de Segurança no Trabalho e Indústria na 2ª

Deputado do PSL revela ser gay após atrito com deputada trans na Assembleia de SP

Crespo apresenta assessora que intermediará recursos em Brasília

Em 12 estados, eleição de governador foi decidida no primeiro turno