Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Em novo GP marcado por protestos, Hamilton vence com tranquilidade

Folhapress
Postado em: 12/07/2020

Compartilhe esta notícia:

Folhapress

Em mais uma etapa marcada por protestos antirracistas, o piloto inglês Lewis Hamilton, da equipe Mercedes, venceu neste domingo (12) o GP de Estiria, na Áustria. O finlandês Valtteri Bottas, da Mercedes, e Max Verstapen, da Red Bull, completaram o pódio.

Enquanto Hamilton dominou a prova do começo ao fim, Verstapen e Bottas protagonizaram uma disputa emocionante nas últimas voltas do circuito de Spilberg. No fim, Bottas levou a melhor para garantir a dobradinha da Mercedes.

A corrida também ficou marcada por atritos entre os dois pilotos da Ferrari, Sebastian Vettel e Charles Leclerc, que abandonaram a segunda corrida da temporada no começo, e por protestos contra racismo.

Dos 16 pilotos que foram mostrados no grid, 4 ficaram em pé, o holandês Max Verstapen, da Red Bull, o monegasco Charles Leclrerc, da Ferrari, o finlandês Kimi Raikkonen, da Alfa Romeo, e o russo Daniil Kvyat, da AlphaTauri. O restante se ajoelhou -uma atitude associada aos protestos antirracistas que vêm acontecendo por todo o mundo.

O gesto tem se repetido em várias manifestações pelo mundo desencadeadas pela morte do americano George Floyd, um homem negro que morreu assassinado por um policial branco que se ajoelhou sobre o seu pescoço em Minneapolis, nos EUA, no dia 25 de maio.

Neste domingo a geração de imagens da F-1, que mostrava alguns pilotos de pé, cortou rapidamente o protesto do grid e passou a exibir um espetáculo de skydivng da equipe Red Bull sobre o autódromo.

Todos os pilotos usavam camisetas pretas com a inscrição "End racism" ("encerre o racismo"), com exceção de Lewis Hamilton, que utilizou uma camisa preta com o texto "Black Lives Matter" ("vidas negras importam").

Na primeira prova da temporada, que começou somente no último domingo devido à pandemia de Covid-19, seis pilotos não se ajoelharam, o que gerou descontentamento por parte de Lewis Hamilton, que lidera os protestos na F-1.

Naquela ocasião, Verstapen, Leclrerc, Raikkonen e Kvyat também não se ajoelharam, assim como o italiano Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo) e o espanhol Carlos Sainz (McLaren).

Logo na segunda curva, a má fase da Ferrari ficou escancarada. Leclerc colidiu com o carro de seu companheiro de equipe, o alemão Sebastian Vettel, na curva mais fechada de Spielberg. O último levou a pior e abandonou a prova logo em seguida, enquanto o monegasco tentou continuar, mas também teve de deixar a prova depois da relargada. A roda traseira de Leclerc atingiu a asa da Ferrari de Vettel.

O clima ruim foi abafado pelas declarações dos dois pilotos, principalmente a do monegasco, que pediu desculpas. "A culpa foi minha, sou o único culpado, Seb não teve culpa. Fico chateado porque a equipe trabalhou bastante e eu joguei todo esse esforço no lixo. Pedi desculpas para ele [Vettel]", afirmou Leclerc.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 10 milhões

Parques ecológicos de Sorocaba terão cursos de férias gratuitos em janeiro

Visita de Bolsonaro aos EUA concretiza alinhamento ideológico com Trump

Colar Evocativo ao Sesquicentenário da Revolução Liberal de 1.842

Carreata em São Paulo defende Bolsonaro e mira Doria e Maia em meio a pedidos de intervenção militar

Vereadores integrantes da Comissão Processante recebem defesa da vice-prefeita