Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Em menos de 24 horas, Crespo sofre três derrotas no Tribunal de Justiça; entenda

Postado em: 28/08/2019

Compartilhe esta notícia:

Em apenas 24 horas, o prefeito cassado José Crespo (DEM) obteve três derrotas perante o Tribunal da Justiça, entre a segunda-feira (26) e terça-feira (27) desta semana.

Entre as três derrotas, a única passível de recurso é quanto à liminar indeferida para que Crespo retorne ao cargo de prefeito por meio de anulação da sessão extraordinária que cassou seu mandato.

São as derrotas:

1 – Envio para a 1ª Vara Criminal de Sorocaba o inquérito policial que investiga o prefeito cassado na Operação “Casa de Papel”

O desembargador Sérgio Ribas, da 8ª Câmara de Direito Criminal, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, determinou o envio para a Comarca de Sorocaba do inquérito policial que investiga o prefeito cassado José Crespo na Operação Casa de Papel. Devido à cassação de seu mandato, ele perdeu a prerrogativa de foro em virtude de seu mandato, o popular “foro privilegiado”.

“Tendo em vista que o ora investigado teve o mandato eletivo cassado, conforme Decreto Legislativo n.º 1.752, de 02 de agosto de 2019, da Câmara Municipal de Sorocaba, perdendo, portanto, o foro por prerrogativa de função, determino a remessa dos autos ao Juízo da Comarca de Sorocaba para prosseguimento do feito”, determinou o desembargador.

Com essa decisão, que teve a chancela da Procuradoria-Geral de Justiça do Estado, a investigação da Operação Casa de Papel volta para a 1ª Vara Criminal de Sorocaba.

A operação “Casa de Papel” apura a atuação de uma suposta organização criminosa na Prefeitura de Sorocaba, onde o democrata também é investigado. Além dele, outras 10 pessoas são alvos da investigação policial.

2 – Envio para a 1ª Vara Criminal de Sorocaba o inquérito policial que investiga o prefeito cassado no caso do “Falso Voluntariado”

“Tendo em vista que o ora investigado teve o mandato eletivo cassado, conforme Decreto Legislativo n.º 1.752, de 02 de agosto de 2019, da Câmara Municipal de Sorocaba, perdendo, portanto, o foro por prerrogativa de função, determino a remessa dos autos ao Juízo da Comarca de Sorocaba para prosseguimento do feito”, determinou o desembargador Sérgio Ribas, igualmente à decisão da Operação Casa de Papel.

O prefeito de Sorocaba, José Crespo, foi indiciado pela Polícia Civil no caso do falso voluntariado na Prefeitura. A investigação está relacionada à prestação de serviço da ex-assessora da prefeitura, Tatiane Pólis, que teria atuado como voluntária do Executivo.

Crespo foi indiciado por crime de responsabilidade e usurpação de função pública.

A Polícia Civil realizou o indiciamento indireto do democrata. Isso ocorreu pelo fato de a defesa de Crespo não ter escolhido um dia específico para que isso ocorresse.

3 – O indeferimento da liminar que garantiria ao democrata o retorno ao seu mandato na Prefeitura de Sorocaba.

Segundo entendimento da Justiça, “descabe ao Poder Judiciário adentrar nos aspectos políticos, que são reservados à Casa Legislativa”. Para o desembargador Marcos Pimentel Tamassia, o processo que resultou na cassação de Crespo “aconteceu de forma regular”.

A defesa do prefeito cassado havia entrado com recurso no dia 22 de agosto. De acordo com o advogado de Crespo, Márcio Leme, o presidente da Câmara de Sorocaba, Fernando Dini, teria “cometido ilegalidades” durante a sessão da Comissão Processante, além de aceitar o sorteio de um novo integrante após o retorno da vereadora Cíntia de Almeida (MDB) no lugar do suplente Rafael Militão, que fazia parte da comissão.

A cassação

Crespo foi cassado pela Câmara dos Vereadores na madrugada de 2 de agosto, numa sessão que durou mais de dez horas.

Ele foi acusado de praticar irregularidades político-administrativas, na contratação da assessora Tatiane Pólis, como voluntária na Prefeitura.

Essa é a segunda vez que Crespo foi afastado do cargo. No ano passado, ele perdeu o cargo no Poder Executivo por infração politico administrativa.

Na ocasião, ele foi acusado de prevaricação, por não ter investigado a denúncia de que o diploma de Tatiane Pólis, então assessora dele, seria falso.

Ele voltou ao cargo 43 dias depois.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

MP não acata pedido de afastamento do prefeito feito pelo Sindicato dos Servidores

Guarda Civil Municipal detém jovens com quatro tipos de drogas no Jardim São Guilherme

Unimed Sorocaba inaugura inovações e ampliações em seu hospital

Ex-presidente do Peru se mata ao receber ordem de prisão por caso da Odebrecht

Maioria do STJ decide reduzir pena do ex-presidente Lula

Petrobras eleva preço da gasolina em 3% depois de quatro cortes