Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Em estado de emergência, Prefeitura de Sorocaba aplica sistema de rodízio no abastecimento de água na cidade

Rubens Maximiano
Postado em: 04/11/2019

Compartilhe esta notícia:

A partir de quarta-feira (6), Sorocaba terá um sistema de rodízio no abastecimento de água. A medida foi anunciada na tarde desta segunda-feira (4) e vai afetar 150 bairros da cidade. As distribuições serão interrompidas, diariamente, das 17h às 6h.

 

O corte da água se repete em cada bairro a cada quatro dias. A programação será divulgada pela instituição todas às segundas-feiras.

 

O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa, no sexto andar do Paço, pela prefeita Jaqueline Coutinho (PDT) e pelo diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), Mauri Pongitor.

 

Durante a coletiva, a prefeita disse que os 123 dias sem chuva afetaram o abastecimento, levando Sorocaba a entrar em estado de emergência. Ainda de acordo com Jaqueline, o município será dividido por regiões nesse rodízio. “A cidade foi dividida em quatro: Zona Norte, Zona Industrial, Zona Oeste e Zona Leste e Sul (juntas)”.

 

O rodízio será mantido até que haja uma melhora ou a normalização no nível de água das represas.

 

Consumo elevado

 

O consumo elevado de água também reflete no abastecimento. Na semana passada, o Saae parou alguns bombeamentos, pois os reservatórios estavam abaixos do esperado.

 

Segundo Pongitor, o consumo por habitante teve "um aumento razoável. O consumo médio chegou a 200 litros por habitante por dia. O padrão normal é de 150 litros por habitante por dia”.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Brinde de Natal do Shopping Cidade Sorocaba promete deixar a decoração da ceia mais elegante

‘Se não posso ser bem recebido em Nova York, seremos no Texas’, diz Bolsonaro

Corpo de mulher é encontrado com ferimentos em construção abandonada

Mega-Sena acumulada pode pagar R$ 23 milhões neste sábado

Menino de 9 anos morre e seis ficam feridos em acidente com dois veículos

Denúncias de falta de medicamentos fazem vereadora questionar Prefeitura