Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Em Curitiba, Haddad cita Lula apenas uma vez e concede entrevista longe da PF

Postado em: 08/10/2018

Compartilhe esta notícia:

Estelita Hass Carazzai, FOLHAPRESS

Em sua primeira entrevista coletiva após o primeiro turno, o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, reduziu as menções ao ex-presidente Lula, e fez um aceno aos candidatos derrotados nas urnas nesta segunda (8).

Haddad foi a Curitiba pela manhã para visitar Lula na Polícia Federal, onde ele cumpre pena por corrupção -mas deu entrevista em um hotel no centro da cidade, e não na frente da prisão, como sempre faz.

Ele passou cerca de duas horas reunido com Lula, mas não quis detalhar a conversa, nem dizer qual a análise que o ex-presidente fez do resultado eleitoral.

O petista também não quis responder se voltará a visitar Lula em Curitiba, e só mencionou o ex-presidente uma vez, ao longo de 18 minutos de entrevista, ao dizer que mantém uma “longa amizade” com Ciro Gomes (PDT), “desde o primeiro governo Lula”.

Setores do PT defendem que o ex-prefeito de São Paulo reduza as menções a Lula e passe a conduzir a candidatura, que ele assumiu em meados de setembro.
Para Haddad, sua ida ao segundo turno, com 29% dos votos, foi “um feito”.

Ele disse que pretende defender um projeto de “desenvolvimento com inclusão social”, e destacou a “defesa do estado de bem-estar social” como uma das principais diferenças entre a sua candidatura e a de Jair Bolsonaro (PSL).

“O neoliberalismo que ele [Bolsonaro] propõe vai agravar a crise; já não deu certo na Argentina e não vai fortalecer o poder de compra do trabalhador”, disse.

Ele ainda criticou a flexibilização do porte de armas, como propõe Bolsonaro, e disse que a proposta provocaria “mais mortes e mais lucro para quem produz armas, mas não vai resultar em segurança”.

Por fim, voltou a acenar a candidatos derrotados no primeiro turno, e citou nominalmente Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB), prometendo “conversar com as forças democráticas do país”.

“É assim que se faz democracia; no diálogo, buscando convergências e consensos”, declarou.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Alunos da rede estadual em São Paulo terão aula pela televisão

Prazo para adesão ao parcelamento de dívidas em Sorocaba vai até 30 de junho

Traficante que atua em bailes funks é preso com quase 4 mil porções de drogas

Autódromo de Ímola vai ganhar mural de Kobra em homenagem a Senna

João Arcalá fala sobre trabalho em equipe e liderança no Parque Tecnológico de Sorocaba

Passeio gratuito na Locomotiva 58 marcará o Dia da Independência em Sorocaba