Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

"El Camino" é boa e desnecessária carta de despedida de "Breaking Bad"

Postado em: 14/10/2019

Compartilhe esta notícia:

Erick Rodrigues

 

O que aconteceu a Jesse Pinkman? Onde ele foi parar? E Walter White? Morreu mesmo ou deu um jeito de fugir? Fãs da série "Breaking Bad" fizeram e refizeram essas perguntas por muito tempo após o último episódio da série, exibido há seis anos. Com o final em aberto, o criador da produção, Vince Gilligan, deixou espaço para interpretações e criatividade até lançar "El Camino: A Breaking Bad Film", longa que funciona como um epílogo da história que, até hoje, é considerada uma das melhores do gênero.

Feito para a plataforma de streaming Netflix, parcialmente responsável pelo sucesso da série, o filme surge para responder às perguntas deixadas no episódio final. Ao melhor estilo "carta de despedida", Gilligan propõe uma revisita ao universo da produção, utilizando, para isso, flashbacks, participações especiais e referências às cinco temporadas de episódios.

"El Camino" começa logo depois da fuga de Jesse (Aaron Paul) do cativeiro onde foi mantido até o episódio final de "Breaking Bad". Enquanto a polícia se dirige ao local, o personagem busca uma forma de se esconder e acaba recorrendo a dois velhos conhecidos: Skinny Pete (Charles Baker) e Badger (Matt Jones). Depois de um socorro estratégico e financeiro, Jesse consegue uma distração para as autoridades enquanto cuida de alguns assuntos inacabados.

Como se estivesse fechando ciclos e superando o passado, o protagonista revisita locais conhecidos, enfrenta pensamentos perturbadores e, de certa forma, até reflete sobre o relacionamento com alguns personagens, como a família e o parceiro na produção de metanfetamina, Walter White. Querem saber se o professor de química aparece no filme? Só vendo para saber.

Não dá para dar muitos detalhes sobre "El Camino" e não é só para evitar spoilers sobre a história. A verdade é que não há muito o que dizer sobre o filme. Quem espera algo grandioso, inclusive, pode ter uma brutal decepção. O longa tem exatamente o espírito da série, mantendo um ritmo que beira a lentidão, mas reserva viradas bruscas e inteligentes. Gilligan continua com uma escrita precisa e sem fazer concessões à memória do espectador. Caso a história já pareça muito distante, talvez valha a pena rever os episódios para, em seguida, fazer uma nova sessão do filme.

Em alguns momentos, "El Camino" até parece uma homenagem a "Breaking Bad" ou a Jesse Pinkman, personagem que, apesar de muito importante na série, teve um arco narrativo secundário e um final interpretativo. A grande função do filme, no entanto, é ser uma carta de despedida, não só para o público, mas também para Gilligan. Por conta disso, é injusto dizer que o longa é "oportunista" ou "uma forma de desdobrar o sucesso da série". O autor e diretor é muito coerente com o universo que construiu e, por isso, faz parecer que esse desfecho sempre fez parte do todo.

Respondendo às perguntas dos fãs sobre o futuro dos personagens, "El Camino" acaba criando um outro questionamento: esse filme era necessário? Eu sei, essa é uma resposta muito subjetiva. Talvez o longa seja importante para Gilligan, que divide com o público o destino imaginado para Jesse. Talvez seja relevante para fãs ávidos por retornar ao universo de "Breaking Bad" depois de já terem decorado os episódios. A minha opinião é que, apesar de bom, o filme é desnecessário.

"Breaking Bad" é uma das minhas séries favoritas, poucas chegaram ou vão chegar no patamar dela. Mesmo assim, nunca me incomodou o final aberto, não via (e continuo não vendo) necessidade para uma volta a esse universo. A produção é perfeita em cada episódio das cinco temporadas. Por isso, o filme é quase um consumo por gula, uma extravagância. Um bom produto, é verdade, mas no limite do exagero.

"El Camino: A Breaking Bad Film" é um bom epílogo sobre a jornada de Jesse Pinkman do fim da série até o início de uma nova vida, mostrando as transformações e os caminhos para o desfecho do personagem. Com uma fotografia bem feita e um roteiro coerente, o longa é uma despedida para aqueles que sentiram falta de um "adeus". Como eu sempre gostei das múltiplas possibilidades de um final incerto, para mim, o filme é algo que se vê com carinho, mas que não faz falta.

 

EL CAMINO: A BREAKING BAD FILM

ONDE: Netflix

COTAÇÃO: ★★★ (bom)

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

“Muita maldade”, diz ‘pai’ de gata que foi lançada em direção a cão Rottweiler

Polícia Civil estoura fábrica clandestina de cigarros; dez paraguaios são presos

Algumas lições aprendidas sobre trabalho

Vice: “processo é consequência da atuação ética diante de interesses da população”

Motociclista morre após colidir em árvore em estrada vicinal em Pilar do Sul

CPI da Saúde denuncia esquema de laranjas no Instituto Diretrizes, que dirige UPHs Norte e Oeste