Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Eduardo Bolsonaro: ‘será necessário uso da força na Venezuela; Maduro é criminoso’

Postado em: 22/03/2019

Compartilhe esta notícia:

Sylvia Colombo, FOLHAPRESS

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse nesta sexta-feira (22) que para tirar o ditador Nicolás Maduro do poder, “será necessário o uso da força na Venezuela”.

A declaração foi dada em entrevista ao jornal chileno La Tercera. O parlamentar está no país acompanhado o pai, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que está em Santiago para participar da Cúpula do Prosul e para um encontro bilateral com o presidente chileno, Sebastián Piñera.

Na entrevista, Eduardo criticou Maduro e disse que “todas as opções estão sobre a mesa” para resolver a crise no país, repetindo assim declarações do presidente americano Donald Trump, que já indicou a possibilidade de realizar uma ação militar contra Caracas.

“Ninguém quer uma guerra, a guerra é ruim, haverá vidas perdidas e consequências colaterais, mas Maduro não vai sair do poder de maneira pacífica”, afirmou o deputado brasileiro. “De alguma maneira, vai ser necessário o uso da força, porque Maduro é um criminoso”, disse ele.

“O pior que pode acontecer é permitir que Maduro siga no poder, porque todos os dias estão morrendo gente”, completou o filho do presidente.

O deputado, que também deve participar de um encontro de representantes de partidos de direita da América Latina em Santiago, afirmou também que o regime Maduro está fazendo “nascer uma nova Cuba”.

Ao chegar na capital chilena na quinta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro brasileiro voltou a afirmar que por enquanto descarta o uso da força contra Maduro enquanto existirem opções diplomáticas para pressionar o regime.

A possibilidade de uma intervenção estrangeira na Venezuela enfrenta resistência na ala militar do governo brasileiro, que é contrária a qualquer ação que extrapole a ajuda humanitária na fronteira. Já o grupo que se diz discípulo do escritor Olavo de Carvalho no governo, que inclui Eduardo, defende que a opção militar não seja descartada.

Durante o encontro entre Bolsonaro e Trump em Washington na terça (19), o assunto Venezuela foi tratado. Após a reunião, o brasileiro afirmou que vai vai atuar com “diplomacia até as últimas consequências” diante da crise no país vizinho, mas não negou enfaticamente a possibilidade de apoiar uma ação militar.

A falta de uma negativa foi interpretada como um esforço para não desagradar o americano, mas também ligou o alerta de oficiais generais da ativa do Exército.

O Brasil, assim como os EUA e mais de 50 outros países, reconheceram o líder opositor e presidente da Assembleia Nacional Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, porque consideram que a eleição que elegeu Maduro em maio de 2018 foi fraudada e não teve legitimidade.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Rede Luminova abre as portas em Sorocaba

Bolsonaro flexibiliza regras de armas para atiradores, caçadores e colecionadores em decreto

Inscrições para o Fies poderão ser feitas a partir de 25 de junho

Sindicato dos Servidores Municipais aponta contradições na terceirização da educação

Vídeo mostra tiroteio durante operação de combate ao tráfico de drogas em cobertura na região central de Sorocaba; veja imagens

Bolsonaro extingue seguro obrigatório para veículos, o DPVAT