Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Doria diz que reforma da Previdência de SP vai garantir economia de R$ 58 bilhões

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
Postado em: 19/02/2020

Compartilhe esta notícia:

Daniel Carvalho, Folhapress

 

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta quarta-feira (19) que a reforma da Previdência do estado vai garantir uma economia de R$ 58 bilhões aos cofres públicos.

 

A proposta foi aprovada em primeiro turno na noite de terça-feira (18) na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo). Como se trata de uma PEC (proposta de emenda à Constituição), é preciso que se vote o texto em segundo turno, o que pode acontecer ainda nesta quarta.

 

"Estamos otimistas. Provavelmente antes do Carnaval, já teremos, em segundo turno, a aprovação da reforma da Previdência. Ontem fizemos os votos necessários para sua aprovação rapidamente", disse Doria nesta quarta, após uma reunião em Brasília com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

 

Doria disse que a aprovação da reforma poupará R$ 58 bilhões aos cofres do governo do estado, dinheiro que será destinado a ações de diversas pastas segundo o tucano. O governador não detalhou em quanto tempo essa economia seria alcançada. Questionada, a assessoria do governo de São Paulo não respondeu até a publicação deste texto.

 

Em comunicado, a administração estadual havia anunciado previsão de economizar R$ 32 bilhões em dez anos com as mudanças. "A reforma da Previdência vai proporcionar uma economia de R$ 58 bilhões aos cofres públicos de São Paulo, permitindo que estes recursos sejam destinados, fundamentalmente, para educação, saúde, saneamento, infraestrutura e segurança pública", afirmou.

 

A reforma vai afetar 550 mil aposentados e pensionistas e mais 643 mil servidores da ativa, incluindo professores, policiais civis e agentes de segurança, entre outras categorias do funcionalismo público.

 

Na noite de terça, a proposta recebeu 57 votos favoráveis e 31 contrários. Ao todo, 88 deputados (dos 94 da Alesp) estiveram presentes na sessão. Por se tratar de uma PEC, a medida precisava de exatos 57 votos, mesmo número necessário para a aprovação em segundo turno.

 

A PEC, que estava parada, voltou a andar após liberação do STF (Supremo Tribunal Federal). Além da emenda constitucional, há um PLC (Projeto de Lei Complementar), que traz mais alterações.

 

A reforma dos servidores eleva a idade mínima para aposentadoria no estado de SP, muda a fórmula de cálculo, aumenta a contribuição previdenciária de 11% para 14%, limita o acúmulo de benefícios e modifica regras da pensão por morte.

 

O governador de São Paulo está em Brasília desde terça-feira, quando jantou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nesta quarta, esteve com Alcolumbre discutindo reforma tributária, distribuição de recursos do pacto federativo e o novo marco legal do saneamento básico, que está em tramitação no Senado.

 

À tarde, Doria disse que vai se reunir com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, para pedir a liberação de R$ 350 milhões para a construção de piscinões para minimizar os efeitos das chuvas. "São Paulo já contribui substancialmente com seus impostos para o governo federal. É hora de o governo federal também contribuir com São Paulo", disse o governador, que tem protagonizado uma escalada de críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), quem pretende enfrentar nas eleições presidenciais de 2022.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Urbes diz que pedirá "decretação da ilegalidade da paralisação de ônibus"

Prefeitura orienta sobre as visitações aos cemitérios nesta segunda, dia de Finados

Lei sobre Internet das Coisas pode gerar milhões de empregos

Cachorro que estava trancado em imóvel é resgatado com sinais de maus-tratos

Saae diz que “monitoramento garante a qualidade da água de Sorocaba”

Com Moro, indústria articula reduzir número de sindicatos