Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Doria diz que Bolsonaro deve sair da "bolha de ódio" e acordar para a realidade

Arquivo
Postado em: 14/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Mônica Bergamo, da Folhapress

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), disse que o presidente Jair Bolsonaro deveria sair da "bolha de ódio" e acordar para a realidade. Em uma nota divulgada nesta quinta (14), ele afirma que o presidente perdeu mais uma chance de "defender a saúde e a vida dos brasileiros".

Nesta quinta-feira (14), em uma videoconferência, Bolsonaro conclamou um grupo de empresários de peso a pressionar governadores pela reabertura do comércio. Ele disse que "é guerra" e que o setor empresarial precisa "jogar pesado" com os chefes de governo nos estados.

"Um homem está decidindo o futuro de São Paulo, decidindo o futuro da economia do Brasil", afirmou Bolsonaro, referindo-se ao governador de São Paulo, seu adversário político. "Os senhores, com todo o respeito, têm que chamar o governador e jogar pesado. Jogar pesado, porque a questão é séria, é guerra", disse.

Leia a íntegra da nota de Doria:

"Hoje, mais uma vez, o presidente da República perde a chance de defender a saúde e a vida dos brasileiros. São Paulo está lutando para proteger vidas.

O presidente Jair Bolsonaro despreza vidas. Ele prefere fazer comícios, andar de jet ski, treinar tiros e fazer churrasco. Enquanto isso, milhares de brasileiros estão morrendo todos os dias.

Acorde para a realidade, presidente Bolsonaro. Saia da bolha de ódio e comece a ser um líder. Se for capaz."

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Filmes brasileiros “A Vida Invisível” e “O Juízo” entram em cartaz na região

Manutenção da CPFL interrompe abastecimento de água em 30 bairros nesta 5ª em Sorocaba

Seleção inicia caminhada para Copa do Mundo de 2022

Joice Hasselmann acusa Carla Zambelli de pegar roupa emprestada e não devolver

Anvisa regulamenta suplementos alimentares e empresas precisam se atualizar

Carla Zambelli: ‘Witzel me usou como cortina de fumaça’; veja entrevista à Jovem Pan