Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Desembargador derruba liminar e regras que tiraram proteção de manguezais e restingas voltam a valer

Arquivo
Postado em: 02/10/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

O Tribunal Federal da 2ª Região (TRF-2) restabeleceu, nesta sexta-feira, 2, as resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) que tiraram a proteção de manguezais e de restingas do litoral brasileiro. Com o argumento de que haveria “riscos de danos irrecuperáveis ao meio ambiente”, a juíza federal Maria Amélia de Carvalho havia suspendido as regras no último dia 29. A União recorreu, sustentando que o provimento não teria sido suficientemente fundamentado. Além disso, afirmou que a liminar “representaria intervenção judicial indevida na esfera de competência do Poder Executivo” e que não há “qualquer ameaça de dano ao meio ambiente”.

O governo também argumentou que as áreas de proteção permanente (APPs) seriam definidas no momento do licenciamento ambiental, o que possibilitaria, inclusive, “a fixação de faixas maiores do que as genericamente previstas” na resolução do Conama. Disse, ainda, que as “decisões do Conama são colegiadas e representam a efetivação do princípio democrático” e que a revogação ocorreu com a presença do Ministério Público Federal (MPF). Além disso, afirmou que as regras estavam sendo discutidas desde 2014, “com amparo em critérios técnicos destinados a disciplinar a regulamentação do novo Código Florestal”.

Na última reunião, o Conama, presidido pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, excluiu ainda uma resolução que exigia o licenciamento ambiental para projetos de irrigação, além de aprovar uma nova regra para permitir que materiais de embalagens e restos de agrotóxicos possam ser queimados em fornos industriais para serem transformados em cimento, substituindo as regras que determinavam o devido descarte ambiental desse material. Desde julho do ano passado, o Conama, que define normas e regras ambientais, foi completamente desidratado em relação à sua estrutura anterior, por determinação de Salles. O ministro concentrou nas mãos do governo federal e de representantes do setor produtivo a maioria dos votos. Estados e entidades civis perderam representação.

Entenda

No último dia 28, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, aprovou a extinção de duas resoluções que delimitavam as áreas de proteção permanente (APPs) de manguezais e de restingas do litoral brasileiro. Na prática, a revogação dessas regras abre espaço para especulação imobiliária nas faixas de vegetação das praias e ocupação de áreas de mangues para produção de camarão. No dia seguinte, a Justiça Federal do Rio de Janeiro acatou uma ação popular, que argumentava que a revogação das normas “viola o direito constitucional a um meio ambiente ecologicamente equilibrado, assegurado no art. 225 da CF, assim como a Política Nacional do Meio Ambiente traçada na L. 6.938/81 e o Código Florestal”, e suspendeu a extinção, fazendo-as valer novamente. Hoje, o TRF-2 decidiu que as regras serão, sim, extintas.

No dia 1º, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que Salles dê explicações sobre a revogação das regras no prazo de 48 horas. Dentro do mesmo prazo, a Advogacia-Geral da União (AGU) e o procurador-geral da República, Augusto Aras, devem ser comunicados. A ação foi protocolada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que argumentou que as resoluções revogadas preveem regras imprescindíveis à preservação da biodiversidade e à proteção das formas de vida contidas nos ecossistemas desses locais.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Quatro são baleados em ataque; polícia não descarta envolvimento com drogas

Paratleta campeão da maratona de Nova York treina diariamente na Raposo Tavares

Em 12 estados, eleição de governador foi decidida no primeiro turno

Dini anuncia que Câmara devolverá R$ 7 milhões à Prefeitura de Sorocaba até o fim do ano

Em reunião dos BRICS, Bolsonaro propõe reformulação da OMS

Bolsonaro faz apelo por reabertura e fala em "exagero" no enfrentamento à pandemia