Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Damares anuncia cruzada contra "Lindinhas", filme acusado de erotizar crianças

Foto: Agência Brasil
Postado em: 15/09/2020

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

A ministra Damares Alves afirmou, nesta segunda-feira (14), que está tomando providências contra o filme da Netflix "Lindinhas".

O longa, que venceu o Sundance, entrou na mira da ministra, que por meio do Facebook chamou a produção de "abominável".


"Estou brava, Brasil! Estou muito brava! É abominável uma produção como a deste filme. Meninas em posições eróticas e com roupas de dançarinas adultas", escreveu Damares, que completou: "Quero deixar claro que não faremos concessões a nada que erotize ou normalize a pedofilia! Quero aproveitar e dar um recado aos pedófilos que por anos tem vindo ao Brasil abusar de nossas crianças: no Brasil existe um Governo que se importa de verdade em proteger as crianças e as famílias".


No Twitter, ela voltou a comentar o caso e respondeu a um usuário que perguntou se ela estava ciente da produção. "Não vamos ficar de braços cruzados. Deixa comigo", escreveu, e em seguida disse que está estudando quais medidas poderão ser tomadas.


Nas últimas duas semanas, o filme tem sido alvo de críticas. Nas redes sociais, usuários já acusavam a plataforma de sexualizar crianças desde que o lançamento do pôster que mostrava crianças de roupas curtas. Após as críticas, o cartaz foi removido do ar pelo serviço de streaming.


Recém-lançado na Netflix, o longa conta a história de Amy, uma menina de 11 anos de origem senegalesa que se muda para a França com sua família. A pequena conhece um grupo de dança de garotas de sua idade, Mignonnes –também o nome original do filme, em francês–, o que não é aprovado por sua família religiosa e conservadora.


O longa, acusado de sexualizar crianças, chegou aos assuntos mais comentados no Twitter nos Estados Unidos quando estreou no catálogo da Netflix. Em entrevista ao site especializado Deadline, a diretora e roteirista Maïmouna Doucouré disse que recebeu ameaças de morte.


Em resposta ao reboliço, a Netflix publicou uma entrevista com a diretora num vídeo chamado "Why I Made Cuties", em que ela comenta a obra. O filme tem uma proximidade com a história pessoal de Doucouré, que também é de família senegalesa, mas nasceu e foi criada em Paris. Ela defendeu o caráter crítico da obra.


"Amy acredita que pode encontrar sua liberdade por meio desse grupo de dançarinas e por meio de sua hiperssexualização. Mas isso é realmente a verdadeira liberdade? Especialmente quando você é criança? Claro que não", diz a cineasta.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

IFSP e alunos pedem reforço na segurança após onda de assaltos

Número de acionamento do Botão do Pânico quadruplica nos últimos sete meses

Mulher leva tiro de choque da GCM ao fazer live e questionar falta de médicos em PA

Igrejas devem cancelar missas e eventos com mais de 500 fiéis, determina Arquidiocese

Os 107 anos do Delfino Simão no Lar dos Idosos

Crespo anuncia a contratação de 50 auxiliares de Educação infantil