Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Comissão de Meio Ambiente questiona sobre transferência de animais

Postado em: 23/08/2019

Compartilhe esta notícia:

A transferência de um casal de antas, nascido no Zoológico de Sorocaba, para uma reserva ambiental da Mata Atlântica, no Rio de Janeiro, no dia 3 de julho, está sendo objeto um requerimento encaminhado ao Executivo por parte da Comissão de Meio Ambiente, com questionamentos formulados por um munícipe.

De acordo com o que foi veiculado pela imprensa, a transferência tem como objetivo promover a recuperação da fauna silvestre na Reserva Ecológica do Guapiaçu e no Parque Estadual dos Três Picos, no Rio de Janeiro. De acordo com os técnicos, as antas desempenham importante papel na dispersão de sementes.

“O principal questionamento do munícipe é quanto à transparência que deve nortear toda e qualquer transferência de animais do Zoológico Municipal, para evitar que esses animais venham a ser comercializados ilegalmente”, afirma João Donizeti Silvestre (PSDB), presidente da Comissão de Meio Ambiente da Casa, também formada pela vereadora Iara Bernardi (PT) e pelo vereador Vitão do Cachorrão (MDB).

Comunicação prévia – Entre os questionamentos formulados pelo munícipe Odair Ramos de Barros e encampados pela Comissão de Meio Ambiente está a necessidade de comunicar a Câmara Municipal e a Comissão de Meio Ambiente sobre a transferência de animais do Zoológico Quinzinho de Barros, bem como divulgá-la, de forma ampla, para que a população, bem como as entidades protetoras dos animais, possa acompanhar esse processo.

No requerimento, entre outros questionamentos, a Comissão de Meio Ambiente solicita informações quantitativas sobre a população animal do Zoológico, especialmente sobre os animais que são recebidos, transferidos ou que venham a morrer. Também indaga sobre a qualidade dos alimentos servidos aos animais e o efetivo de funcionários que atuam no órgão.

Por fim, a Comissão de Meio Ambiente solicita informações detalhadas sobre a entidade que ficou responsável pelo casal de antas no Rio de Janeiro até que os animais possam ser devidamente reintegrados à natureza. E, se não for possível essa reintegração, caso os animais não consigam se adaptar a seu novo hábitat, a comissão também quer saber qual será o seu destino.

Por meio de nota, a Prefeitura informou que as antas do Parque Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros” que foram levadas para a Reserva Ecológica de Guapiaçu foram reintroduzidas na fauna e agora são de vida livre.

Esse trabalho para a reintrodução de fauna na reserva ecológica foi feita por professores e pesquisadores das universidades IFRJ, UFRJ e UFRuralRJ, que desenvolveram o Projeto “Refauna”. Assim, foi desenvolvido técnicas de reintrodução de anta (Tapirus terrestres) na Reserva Ecológica de Guapiaçu e no Parque Estadual dos Três Picos, no estado do Rio de Janeiro.

A Sema também informa que agora com o início do trabalho do Conselho Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal, levará essas informações nas reuniões ordinárias para conhecimento de todos.

Com relação à adaptação dos animais na reserva, não há motivo para que eles não se adaptem ao local, já que se trata de uma reserva de Mata Atlântica, habitat natural da espécie.

 

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

“Love, Death + Robots” usa antologia coerente e cheia de personalidade para gerar reflexões

GCM prende homem com cerca de 380 porções de drogas no Vitória Régia

Prefeitura de Votorantim retoma atendimento presencial nesta segunda-feira

Zona Norte recebe primeiro trecho do BRT; cidade ganha 43 novos ônibus

Contrariando Bolsonaro, Nasa aponta que queimadas são fruto de desmatamento

Bandido furta carro com bebê de 1 ano dentro do veículo