Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Comerciantes reclamam de insegurança próximo à rodoviária; vídeo mostra crime

Postado em: 06/04/2019

Compartilhe esta notícia:

A falta de segurança próximo à rodoviária de Sorocaba tem sido alvo de reclamação dos comerciantes.  Um dos principais problemas é a presença de moradores de rua que inibem e assediam tanto comerciantes como pessoas que residem na região. Nos últimos dois meses, foram registrados dois homicídios no local. Entre eles, a de um homem, de 54 anos, que foi espancado por um casal.

Uma comerciante, que prefere não ter identidade revelada, contou que as calçadas amanhecem sujas e servem de banheiros. “Eles não se importam, usam as calçadas para fazer as necessidades”. Além da sujeira, a comerciante alega que se sente ameaçada pelos moradores de rua que ficam perambulando na região. “Muitos são usuários de drogas e a todo o momento entram nas lojas pedindo dinheiro. Às vezes, somos coagidas e, para não trazer problemas, somos obrigadas a dar alguma coisa”.

Outro problema que também é recorrente na região “são as vans de outras cidades, que ‘despejam’ os moradores na região da rodoviária”, afirma a comerciante. Segundo ela, os veículos geralmente chegam de madrugada, deixam os moradores e seguem para as cidades de origem.

Em um dos crimes, que ocorreu no mês de fevereiro, imagens do circuito de monitoramento registraram a morte de um homem na rua Bernardo Guimarães, no Jardim Vergueiro. Um homem, de 54 anos, foi morto após ser pisoteado por um casal de moradores de rua. De acordo com informações da Polícia Militar (PM), os autores do crime foram presos em flagrante.

Pelas imagens, é possível ver o momento que por diversas vezes, a vítima que está caída na calçada, é pisoteada. Uma equipe do SAMU foi até o local para prestar socorros, mas o homem não resistiu e morreu no local.

Encaminhamos nota para Polícia Militar (PM), questionando a falta de policiamento, mas até o momento não recebemos o retorno.

Audiência na Câmara

O novo processo de gestão e fiscalização do Terminal Rodoviário de Sorocaba foi debatido em audiência pública da Câmara Municipal, no plenário da Casa, na noite de quarta-feira, 3, por iniciativa do vereador Hudson Pessini (MDB). Além do vereador, compuseram a mesa dos trabalhos o presidente da Urbes, Luiz Alberto Fioravante; Marcos José de Moraes, presidente da Associação dos Guichês da Rodoviária; Sabrina Ribeiro, representando a Secretaria de Políticas Públicas sobre Drogas; capitão Rogério, da 1ª Companhia da Polícia Militar; César Barbosa, da Pró-Síndico São Paulo; e Paulo Dirceu Dias, da Associação Comercial de Sorocaba. A vereadora Fernanda Garcia (PSOL) e o vereador Fausto Peres (Podemos) também estiveram na audiência pública.

O vereador Hudson Pessini observou que já realizou várias audiências públicas discutindo questões relativas ao centro e, nessas ocasiões, sempre são levantados os problemas do Terminal Rodoviário, o que justifica a realização de uma audiência pública específica sobre o assunto. O vereador lembrou que o projeto de construção da Rodoviária de Sorocaba teve início em 1968, na gestão de Armando Pannunzio, sendo que sua construção se iniciou na gestão de José Crespo Gonzales, pai do atual prefeito. A Rodoviária foi inaugurada em 14 de agosto de 1973.

“Desde 1973, a Rodoviária é administrada pela empresa Sócia/SA, mas o contrato de administração entre a empresa e a Prefeitura está vencido desde 1985 e, por meio de decreto, foi prorrogado até 1998. Portanto, há cerca de 20 anos o local é explorado sem o devido amparo legal”, afirmou Pessini. O vereador ressaltou que a Rodoviária ficou defasada em relação ao crescimento demográfico de Sorocaba, sem contar o grande fluxo de pessoas que passa diariamente pela cidade.

Nova Rodoviária – Luiz Alberto Fioravante, presidente da Urbes, também afirmou que “a Rodoviária envelheceu” e expôs as razões que levaram a Prefeitura a escolher a antiga área da empresa Gerdau, às margens do Rio Sorocaba, próximo à Avenida São Paulo, para construir a nova Rodoviária. A área já foi declarada de utilidade pública pela Prefeitura. “São 240 mil metros quadrados de área, de fácil acesso. O Terminal Multimodal deve ocupar, no máximo, 70 mil metros. Então, pode ser um polo de atração comercial e atrair empresários”, afirmou o secretário.

Fioravante disse que, desde 1º de janeiro deste ano, por força do Decreto 24.416/2018, a Urbes passou a gerenciar, fiscalizar e controlar o tráfego do transporte do Terminal Rodoviário com o objetivo de oferecer mais segurança para os passageiros em seu embarque e desembarque, enquanto a empresa Sócia continuou encarregada pelos boxes privados.

O secretário elencou uma série de medidas visando melhorar a segurança dos usuários da Rodoviária, desde sinalização até colocação de grades para regulamentar o acesso às plataformas de embarque. Também disse que tem feito várias reuniões com todas as partes envolvidas para garantir o melhor atendimento possível na Rodoviária, inclusive com a melhoria do entorno e afirmou que a licitação da nova rodoviária sairá ainda neste ano.

Mais segurança – César Barbosa, da Pró-Síndico São Paulo, disse que os comerciantes e moradores da região da Rodoviária sofrem com a mendicância, com a prostituição e com a violência extremada, questões que também foram abordadas pelo capitão Rogério, da Polícia Militar. Disse também que vans provenientes de outras cidades trazem pessoas frequentemente para Sorocaba. O secretário Fioravante afirmou que a fiscalização tem sido intensificada e, juntamente com algumas mudanças que estão sendo feitas no fluxo de ônibus, será possível fiscalizar também as vans.

Por sua vez, Sabrina Ribeiro, da Secretaria sobre Drogas, disse que há um protocolado firmado com outras Prefeituras da região, que pode ser utilizado para evitar esses casos.

Marcos José de Moraes, presidente da Associação dos Guichês da Rodoviária, cobrou algumas ações pontuais na Rodoviária até que a nova seja construída e se queixou do que considera um excesso de multas de trânsito no local.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Exames entregues por Bolsonaro à Justiça apontam resultado negativo para coronavírus

Moro se diz ‘perplexo’ com decisão de desarquivar inquérito que mira seu amigo

CASA DE PAPEL: contratos suspeitos de fraude equivalem a R$ 25 mi, diz Gaeco

Orientador pedagógico é investigado por abusar de duas adolescentes em escola

Mulher aciona o botão do pânico e GCM prende ex-marido em quatro minutos

Estado de São Paulo tem leve aumento na média móvel de mortes por covid-19