Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Capitão Derrite ‘detona’ Lei do Abuso da Autoridade: “é uma retaliação à Lava Jato”

Postado em: 30/08/2019

Compartilhe esta notícia:

O deputado federal Guilherme Derrite (PP) concedeu entrevista ao Jornal da Ipanema, da Rádio Ipanema, nesta manhã de sexta-feira (30), e criticou fortemente o Projeto de Lei de Abuso de Autoridade. A matéria foi aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados no dia 14 de agosto.

“Não podemos generalizar e inviabilizar as instituições. Essa lei, sendo como um dos autores Renan Calheiros, criminalizando atividade policial… Votarei contra”, enfatizou.

Segundo Derrite, nos bastidores da Câmara, o projeto é considerado uma retaliação à Operação Lava Jato. “Sou a favor da existência de uma lei que puna agentes públicos que cometem abuso de autoridade. Mas, chame as instituições [para debate]”, defendeu.

Derrite já exerceu o cargo de capitão da Polícia Militar em São Paulo.

width=1280

Conforme reportagem publicada pela Agência Brasil nesta última quarta-feira (28), O porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro vetará, ao menos em parte, o Projeto de Lei 7.596/17, que define os crimes de abuso de autoridade. A matéria foi aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados no dia 14 de agosto.

“Ele [o presidente] ainda terá que analisar a partir, como eu disse, de uma assessoria dos ministérios, da parte jurídica aqui da Secretaria Geral [da Presidência] e vai tomar a decisão, como ele também mesmo disse, com a consciência e com a justiça necessária para atender às demandas da sociedade, do Congresso e, em especial, dele próprio, que ao fim e ao cabo, é o responsável pela firma do documento”, disse Rêgo Barros a jornalistas, durante o briefing diário concedido no Palácio do Planalto.

Segundo o cronograma informado pelo porta-voz, o presidente deve receber, até terça-feira (3), a consolidação de informações por parte dos ministérios, para subsidiá-lo na decisão final sobre os vetos. Bolsonaro só deve anunciar a decisão no dia 5 de setembro, quando termina o prazo de 15 dias úteis para o veto ou sanção. Em caso veto (total ou parcial), o texto volta para análise do Congresso Nacional, que pode manter ou derrubar os vetos presidenciais.

O Projeto de Lei de Abuso de Autoridade prevê a criação do crime de caixa 2, de compra de votos e o aumento de pena para o crime de corrupção, tornando a prática hedionda em alguns casos. Atualmente considerada crime eleitoral e não penal, com penalidade inferior à aplicada a outros crimes e passível de prescrição no prazo de um mandato, a prática de caixa 2 em campanha eleitoral poderá ser tipificada como crime.

Segundo o texto aprovado, poderá ser considerado abuso de autoridade obter provas por meios ilícitos; executar mandado de busca e apreensão em imóvel, mobilizando veículos, pessoal ou armamento de forma ostensiva, para expor o investigado a vexame; impedir encontro reservado entre um preso e seu advogado; e decretar a condução coercitiva de testemunha ou investigado sem intimação prévia de comparecimento ao juízo.

No total, a proposta apresenta 37 ações que poderão ser consideradas abuso de autoridade, quando praticadas com a finalidade específica de prejudicar alguém ou beneficiar a si mesmo ou a terceiro. Entre eles, está o dispositivo que tipifica como abuso de autoridade o uso de algemas em preso quando não houver resistência à prisão ou ameaça de fuga.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Defensoria Pública faz mutirão de reconhecimento de paternidade

Traficante que deixou a cadeia há 3 meses é preso após ser abordado com drogas

Procon orienta consumidores para as compras às vésperas de Natal

Ao menos 14 pessoas morrem em deslizamento de terra em Niterói, no Rio

PM acaba com plantação de maconha na estrada da Light em Votorantim

Com segurança do Planalto, sobe para 25 os casos de coronavírus próximos a Bolsonaro