Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Caminhoneiros prometem nova paralisação no dia 29 de abril

Postado em: 19/04/2019

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

A Abam (Associação Brasileira de Caminhoneiros) e a CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos) afirmaram em notas que o pacote de medidas anunciado pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) para os caminhoneiros não atende às principais demandas da categoria, que são a queda do preço do óleo diesel e a fiscalização nas estadas do cumprimento da tabela do frete.

De acordo com a CNTA, a alta de R$ 0,10 por litro de combustível, que entrou nesta em vigor nesta quinta, “aumentou ainda mais a tensão instalada na categoria.

Segundo a nota, os caminhoneiros carregam desde o “ano passado a frustração de não ter a lei do piso mínimo do frete cumprida”.

A confederação diz ter feito um levantamento com 140 sindicatos, nove federações e uma associação colaborativa, para confirmar o posicionamento dos caminhoneiros.

“A entidade identificou que o anúncio reacendeu uma insatisfação generalizada na categoria, que está impaciente à espera de uma resposta do Governo”, diz a nota divulgada nesta quinta (18).

A Abcam afirma que o aumento no preço do combustível gera um impacto nos custos e na previsibilidade do valor dos fretes e, por isso, os motoristas estão “enfurecidos”.

“É grande o número de queixas recebidas pela Abcam, tanto por telefone, quanto em suas redes sociais”, segundo nota.

A associação, porém, afirma que não é possível afirmar que a categoria está se organizando para uma nova paralisação.

Na noite de quarta, líderes caminhoneiros já articulavam uma nova paralisação para o dia 29 de abril.

Reunião

A CNTA também afirmou que terá uma reunião com o ministro Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura, na próxima segunda-feira (22).

Na noite de quarta (17), o ministro já havia se reunido com caminhoneiros liderados por Wallace Landim, o Chorão, e prometido mais ação do governo em relação à fiscalização nas estradas.

“O piso vai fazer com que o diesel deixe de ser uma preocupação. Aumentou o diesel, a gente aumenta o piso. A gente vai transplantar o aumento do diesel para a tabela. Isso vai fazer com que o caminhoneiro não perca dinheiro com os transportes”, disse.

Os caminhoneiros, porém, estão divididos e muitos têm posto em dúvida a legitimidade dos representantes escolhidos para falar com o governo.

Parte de um grupo de líderes de caminhoneiros, Wanderlei Alves, o Dedéco, afirma que haverá nova paralisação e diz que as manifestações devem começar no dia 29 de abril.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

“Rush – No Limite da Emoção” retrata rivalidade e momento marcante na vida de Niki Lauda

Witzel diz que Flávio Bolsonaro ‘deveria estar preso’ e que investigação é ‘narrativa fantasiosa’

Petrobras reduz em 4% preço da gasolina nas refinarias nesta sexta

Bombeiros combatem incêndio que atingiu área com pás eólicas de empresa no Éden

Sem febre, mas ainda sob antibióticos, Bolsonaro inicia dieta cremosa

Os presidenciáveis Fernando Haddad e Jair Bolsonaro se enfrentam no 2º turno