Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Câmara mantém incorporação de servidores, mas prazo sobe para 10 anos

Postado em: 19/02/2019

Compartilhe esta notícia:

A Câmara Municipal teve uma sessão agitada na manhã desta terça-feira (19), com muita discussão entre os vereadores, como o Ipa Online registrou mais cedo, e 13 matérias aprovadas. Ao final dos trabalhos legislativos, que tiveram uma hora de prorrogação, os parlamentares arquivaram o projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município que acabava com as incorporações salariais dos servidores e aprovaram o projeto substitutivo, que aumentou o prazo de incorporação de 6 para 10 anos.

De acordo com o vereador José Francisco Martinez (PSDB), o projeto foi elaborado após conversas com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba. Ele então levou a proposta para a Prefeitura, que aceitou a mudança. Deste modo, foi arquivado o Projeto de Emenda à Lei Orgânica nº 07/2018, de autoria do Executivo, que preendia extinguir a possibilidade de incorporação de remuneração para o servidor de carreira que venha a ocupar cargo de chefia.

Na sequência, foi aprovado, em primeira discussão, o Projeto de Lei nº 111/2018, substitutivo, revogando as Leis nº 4.739, de 10 de março de 1995 e 5.327, de 30 de dezembro de 1996, que tratam do mesmo assunto, e mantendo a possibilidade de incorporação mudando o período para 10 anos, com proporção de um décimo por ano. Hoje, o tempo que um funcionário leva para incorporar remunerações é de seis anos.

Já o Projeto de Lei nº 156/2018, de autoria do vereador Vitão do Cachorrão (MDB), que institui o ônibus “Corujão” em Sorocaba, com o objetivo de integrar as linhas noturnas de ônibus que atendem os bairros da cidade, teve o parecer jurídico contrário derrubado e segue em tramitação.

O projeto, em pauta em primeira discussão, prevê que as linhas deverão circular entre os terminais e locais de maior movimentação noturna com intervalo máximo de 40 minutos entre as partidas. O projeto foi considerado inconstitucional pela Comissão de Justiça, por tratar de questão administrativa, de competência exclusiva do Executivo, mas, o autor solicitou a rejeição do parecer.

Projetos seguem para a sanção

Entre os projetos em segunda discussão, cinco foram aprovados, começando pelo Projeto de Lei nº 293/2018, do Executivo, que encampa proposta original do vereador Fernando Dini (MDB), presidente da Casa, visando alterar regras sobre o recolhimento de quantias para o Fundo Municipal de Assistência Social.

Também em segunda discussão, foi aprovado o Projeto de Resolução nº 18/2018, de autoria da vereadora Iara Bernardi (PT), que cria a Frente Parlamentar para a Cidadania das Pessoas Portadoras de IST/HIV/AIDS e das Hepatites Virais. Segundo a autora, o projeto é uma reivindicação de entidades que atuam na área. A Frente Parlamentar realizará reuniões bimestrais, de caráter público.

Ainda em segunda discussão e de autoria da vereadora, foi aprovado o Projeto de Lei nº 312/2018 que, segundo a própria autora, partiu de um pedido da Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária, visando ampliar suas ações na regularização de imóveis no Parque Vitória Régia. A parlamentar ressaltou que a proposta irá beneficiar famílias em área de risco e não apenas em caso de alagamento, inclusive de outros bairros. O vereador Engenheiro Martinez (PSDB) lembrou que o Executivo encaminhou à Casa uma proposta semelhante que, conforme frisou, deverá ser arquivado, ante a aprovação do projeto da parlamentar.

Também em segunda discussão foi aprovado o Projeto de Lei nº 307/2018, de autoria do vereador Hudson Pessini (MDB), que obriga os estabelecimentos comerciais relacionados ao comércio de produtos e prestação de serviços para animais domésticos a disponibilizar em suas dependências, de forma visível, uma placa ou cartaz informando que praticar maus-tratos contra animais é crime, além de fornecer um número de telefone para denunciar os casos do gênero.

E, da mesma forma, foi aprovado em segunda discussão o Projeto de Lei nº 329/2018, de autoria do Executivo, que institui o Novo Sistema Municipal “Saúde Escola”, que visa à formação em Residência Médica e em Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Saúde Mental para atendimento no SUS (Sistema Único de Saúde) por meio da integração entre ensino e serviço à comunidade. Haverá vagas em áreas como Enfermagem, Odontologia, Psicologia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Educação Física, Farmácia, Nutrição, Serviço Social, Residência Médica e Psiquiatria.

Vetos de Crespo aprovados

Cinco vetos, quatro deles a projetos do próprio Executivo, que abriram a ordem do dia desta terça-feira também foram aprovados. Inicialmente foi acatado o Veto Total nº 39/2018 ao Projeto de Lei nº 61/2018, de autoria do vereador Silvano Júnior (PV), que prevê leito hospitalar privativo para gestantes em caso de morte do bebê antes ou durante o parto. O Executivo alegou vício de inciativa e o veto foi acatado a pedido do vereador Engenheiro Martinez (PSDB), membro da Comissão de Justiça.

Em seguida, os vereadores também acataram o Veto Parcial nº 40/2018 ao Projeto de Lei nº 270/2018, do Executivo, a Lei nº 4.599/1994, que estabelece o Quadro e o Plano de Carreira do Quadro do Magistério Público Municipal. A emenda nº 1, de autoria do vereador Renan Santos (PCdoB), que inclui na rede as disciplinas de Artes e de Educação Física foi vetada pelo Prefeito. Além de alegar vício de iniciativa, o veto ressalta que as disciplinas já constam da grade curricular.

Apesar da Comissão de Justiça ressaltar a inconstitucionalidade da emenda, o autor chegou a defender a derrubada do veto, destacando que sua proposta foi elaborada em conjunto com o magistério. Para tentar resolver o impasse, o presidente Fernando Dini (MDB) sugeriu que, após a aprovação do veto, a questão seja discutida diretamente com a Secretaria de Educação – ideia acatada pelo autor, após conversar com representantes do Sindicato dos Servidores, que acompanhavam a sessão.

Da mesma forma foi acatado o Veto Total nº 03/2019 ao Projeto de Lei nº 155/2018, também do Executivo, que cria o regime de escala especial de trabalho para servidores operacionais de Tratamento de Água e Esgoto do SAAE. Para o Executivo, as três emendas de autoria dos vereadores Engenheiro Martinez (PSDB) e Renan Santos (PCdoB), aprovadas junto com o projeto substitutivo, “desconfiguraram” a proposta original, tornando-a inconstitucional. Apesar de a Comissão de Justiça da Casa ter sugerido a rejeição do veto por não ver ilegalidade nas emendas, Martinez pediu sua aprovação, afirmando que o diretor do Saae deverá encaminhar uma nova proposta, sanando assim sua inconstitucionalidade.

Ainda com relação ao SAAE, também foi acatado o Veto Parcial nº 04/2019 ao Projeto de Lei nº 214/2018, que organiza a estrutura administrativa da autarquia, vetou a emenda do vereador Eng. Martinez (PSDB) que determina que os cinco cargos de Coordenador Especial, criados pelo projeto, sejam privativos a funcionários públicos. O Executivo alega vício de iniciativa e impacto financeiro não previsto. Com onze votos favoráveis e oito contrários o veto foi aprovado.

Iniciada a discussão, o vereador Rodrigo Manga (DEM) destacou que os parlamentares aprovaram a criação dos cargos, desde que condicionados ao provimento de servidores de carreira e não para funcionários comissionados. Já os vereadores Wanderley Diogo (PRP), Luis Santos (Pros) e Vitão do Cachorrão (MDB) lembraram que os cargos já existiam e que houve apenas uma alteração na nomenclatura – sendo que, inclusive, o número de vagas foi reduzido de dez para cinco.

Por fim, também foi acatado o Veto Parcial nº 05/2019 ao Projeto de Lei nº 229/2018, também do Executivo, que autoriza a criação da Autarquia denominada “Investe Sorocaba”. Assim como nos anteriores, foram vetadas emendas parlamentares, uma delas de autoria da vereadora Iara Bernardi (PT) que determina que a diretoria da autarquia deverá ser, previamente, sabatinada pelos vereadores. Discordando da argumentação do Executivo, sobre vício de inconstitucionalidade, a Comissão de Justiça opinou pela rejeição do veto, assim como a autora que ressaltou a importância da emenda, por se tratar de uma nova estrutura. Já o líder do Governo, Irineu Toledo (PRB), ressaltou que a emenda, além de prever a sabatina, condiciona a nomeação à aprovação da Casa. Com onze votos favoráveis e oito contrários, o veto foi aprovado.

Também foram aprovadas durante a sessão as duas moções da pauta. De autoria do vereador Péricles Regis (MDB), a Moção nº 15/2018, manifesta aplauso ao Conselho Superior da Justiça do Trabalho pela realização do 4º Seminário Nacional de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem. Já a Moção de Repúdio nº 18/2018, de Fausto Peres (Podemos), é destinada à “CPFL Piratininga”, pela poda de árvores no Parque das Paineiras.

Projeto rejeitado

O Projeto de Lei nº 197/2018, de autoria do Executivo, que trata de cargos e vencimentos no âmbito da Prefeitura de Sorocaba foi rejeitado em primeira discussão. O projeto revoga expressamente o artigo 5º (e parágrafo único) da Lei 4.816, que previa gratificações para as funções de Coordenador de Área de Saúde e Coordenador de Unidade de Saúde, bem como para outros cargos de chefia da Secretaria de Saúde. Também revoga o parágrafo 9º do artigo 2º da Lei 8.426, e o parágrafo 9º do artigo 1º da Lei 9.411, que tratam da mesma matéria.

O vereador Renan Santos (PCdoB) criticou o projeto, afirmando que se trata e uma manobra do Executivo para que os cargos de coordenação sejam ocupados por comissionados. Já o líder do Governo, Irineu Toledo (PRB), ressaltou que não se trata de retirada de direitos uma vez que houve a alteração da função e, da maneira como está, haveria sobreposição de pagamentos. Com dezessete votos contrários, o projeto foi rejeitado.

Fora de Pauta

O Projeto de Lei nº 303/2018, de autoria do vereador Anselmo Neto (PSDB), em segunda discussão, que cria novas regras para o licenciamento de empresas do ramo de sucata, ferro velho, desmanche e congêneres, com o objetivo de coibir os furtos de cabos e fios de cobre e alumínio no município, recebeu emenda do autor – incluindo os materiais de metais pesados e as escoras de chumbo – e saiu de pauta.

Da mesma forma, saiu de pauta após receber nova emenda o Projeto de Lei nº 218/2017, de autoria conjunta dos vereadores Iara Bernardi (PT) e Silvano Júnior (PV), em segunda discussão, que prevê cabeamento subterrâneo nos novos loteamentos, condomínios, vilas e similares. De autoria do Engenheiro Martinez (PSDB), a Emenda nº 5, apresentada durante a sessão, isenta da obrigação os condomínios com terrenos de até 250 metros.

Já o Projeto de Resolução nº 19/2018, da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Parcerias, que altera o prazo para apresentação de Lei Orçamentária Anual, com o intuito de antecipar a data limite de envio da LOA pelo Executivo de 30 de setembro para 30 de agosto, foi arquivado a pedido do presidente da Comissão, Hudson Pessini (MDB). A proposta deverá ser reapresentada pela Mesa Diretora.

E o Projeto de Lei nº 298/2018, do vereador Fernando Dini (MDB), em primeira discussão, que institui o benefício de auxílio-aluguel destinado às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, foi retirado de pauta para oitiva do Executivo a pedido do autor.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

FHC, Lula, Ciro e OAB reagem contra ato anti-Congresso apoiado por Bolsonaro

Unimed Sorocaba sorteia carro entre os cooperados

Após 12 horas, Bolsonaro cancela recontratação de amigo de seus filhos que usou voo da FAB

Atriz Gwyneth Paltrow vende velas aromáticas com essência inusitada: "O cheiro da minha v*****"

Adolescente dispara mensagem sugerindo massacre em escola e acaba apreendido

Pela 1ª vez desde janeiro, China não registra mortes por covid-19