Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Câmara aprova parcelamento e quitação de dívida da Prefeitura com o Banco de Olhos

Postado em: 16/05/2019

Compartilhe esta notícia:

O Projeto de Lei nº 184/2019, que autoriza a Prefeitura de Sorocaba a celebrar termo de ajuste de contas e quitação de débitos com o Banco de Olhos de Sorocaba (BOS), foi aprovado em definitivo, com três emendas, nas sessões extraordinárias desta quinta-feira (16), logo após a sessão ordinária. O projeto já havia sido aprovado em primeira discussão, com emenda supressiva do vereador Irineu Toledo (PRB), nas sessões extraordinárias realizadas na manhã de segunda-feira, 13.

O projeto de lei autoriza a Prefeitura de Sorocaba a pagar ao BOS um montante de R$ 14,279 milhões, divididos em 28 parcelas mensais de R$ 509,9 mil, que começarão a ser pagas a partir de 30 de janeiro de 2020. O montante dessa dívida resulta de serviços prestados na UPA do Éden (R$ 3,7 milhões) e na UPH da Zona Leste (R$ 3,5 milhões); serviços laboratoriais (R$ 76 mil); atendimentos ambulatoriais e hospitalares (R$ 290 mil); reajustes não concedidos nas prorrogações do convênio da UPH da Zona Leste (R$ 5 milhões); e indenização pelos danos no prédio cedido em comodato pelo BOS à municipalidade (R$ 1,5 milhão). Com uma emenda ao projeto aprovada pelos vereadores, esse último débito foi retirado do montante da dívida, que passou a ser de R$ 12.699.865,70, a serem pagos em 28 parcelas de R$ 453.566,63.

Segundo o Executivo, esses valores decorrem de serviços efetivamente prestados pelo BOS e foram apurados em processo administrativo, conduzido de acordo com o Decreto nº 23.361/2017, do Executivo, “o qual disciplina este tipo de situação, bem como as formas em que deve ser efetivado este tipo de pagamento”. Ainda segundo o Executivo, o acordo foi vantajoso para o município, representando uma economia de R$ 6 milhões para os cofres públicos, uma vez que o BOS concordou em abrir mão dos juros e correção monetária.

Discussão e emendas

O presidente da Comissão de Economia, vereador Hudson Pessini (MDB), chegou a defender que o projeto fosse retirado de pauta e reenviado à Casa após a aprovação do orçamento, quando poderia ser aprovada a devida dotação orçamentária para pagar não somente o BOS, mas também a Santa Casa e Hospital Santa Lucinda. O vereador argumentou, ainda, que o projeto não dá segurança jurídica ao BOS de que irá receber a dívida.

Em relação ao valor total do débito, Pessini disse que há algumas discordâncias externadas na reunião com o secretário Eric Vieira, entre elas, quanto ao pagamento pelos danos do imóvel. “Essa é uma questão de contrato imobiliário, que deve ser resolvida à parte”, afirmou. Para resolver esse ponto, foi apresentada uma emenda, aprovada, que retirou do projeto o débito relativo ao imóvel desocupado.

O vereador Péricles Régis (MDB) chamou a atenção sobre a mudança nos decretos que norteiam esse tipo de negociação de dívida, o que, segundo ele, mudou substancialmente o procedimento previsto no decreto anterior, deixando de ser necessária uma sindicância sobre a dívida, que passou a ser apurada apenas por meio de processo administrativo.

Francisco França (PT) disse estranhar o fato de que havia um parecer contrário ao ajuste de quitação de débitos com o BOS e, com a troca da titular da Secretaria de Saúde, o acordo foi assinado. Iara Bernardi (PT) também externou a mesma preocupação.

O vereador Irineu Toledo (PRB), líder do governo, observou que a Câmara não está autorizando a Prefeitura a pagar o débito e, sim, apenas autorizando o parcelamento da dívida em maior prazo. João Donizeti Silvestre (PSDB) disse que o BOS foi essencial para sanar o problema de atendimento de saúde na época. Por fim, o vereador Fausto Peres (Podemos) afirmou que a dívida se refere a serviços prestados e auditados, atendendo à vontade de todos, que era a continuidade do funcionamento da UPH Zona Leste.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Dia dos Namorados e o santo padroeiro dos solteiros

Mensagens vazadas de aplicativo mostram que Moro orientou investigações da Lava Jato

Dez trabalhadores são resgatados de condição de trabalho escravo em Salto

Rodízio no abastecimento de água prossegue neste sábado em Sorocaba

Vídeo mostra o estrago em caminhão após queda de helicóptero

Prefeitos no litoral tentam conter invasão com megaferiado em SP; moradores põe fogo em rodovia