Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Câmara aprova convênio com Santa Casa para gestão da UPH da Zona Leste

Postado em: 13/05/2019

Compartilhe esta notícia:

O Projeto de Lei nº 185/2019, que autoriza a Prefeitura de Sorocaba a celebrar convênio com a Santa Casa de Misericórdia para a gestão compartilhada da UPH (Unidade Pré-Hospitalar) da Zona Leste foi aprovado em sessões extraordinárias da Câmara Municipal de Sorocaba, realizadas na manhã desta segunda-feira, 13, sob o comando do presidente da Casa, vereador Fernando Dini (MDB).

A proposta aprovada estabelece que a Prefeitura irá repassar à Santa Casa, pela gestão compartilhada da UPH da Zona Leste, o montante de R$ 17,6 milhões neste ano de 2019 e R$ 10,5 milhões em 2020. De acordo com a Prefeitura, o convênio com a Santa Casa irá gerar uma economia de R$ 3,028 milhões em relação ao convênio atualmente mantido com o BOS (Banco de Olhos de Sorocaba). Por sua vez, o BOS está cedendo os móveis e equipamentos para a Santa Casa, em forma de comodato, pelo prazo de 24 meses.

Outros projetos

Também foi aprovado o Projeto de Lei nº 179/2019, do vereador Péricles Régis (MDB), que regulamenta o uso intensivo do viário urbano municipal para atividade remunerada de transporte individual e compartilhado de passageiros, ou seja, o uso do transporte por aplicativos em Sorocaba. Na justificativa do projeto de lei, o vereador lembra que a regulamentação no município se deu através do Decreto 23.943, de 3 de agosto de 2018, cujos efeitos posteriormente foram sustados pelo Decreto Legislativo 1.674, de 11 de dezembro de 2018, já que, conforme determinação de legislação federal verifica-se a necessidade de aprovação da regulamentação pelo Poder Legislativo.

Já o Projeto de Lei nº 184/2019, de autoria do Executivo, que autoriza a Prefeitura a celebrar Termo de Ajuste de Contas e Quitação com o Banco de Olhos de Sorocaba (BOS), foi objeto de ampla discussão em plenário e acabou sendo aprovado apenas em primeira discussão, com uma emenda supressiva do vereador Irineu Toledo (PRB), também aprovada. Em seguida, o projeto foi retirado de pauta para ser votado em segunda discussão na sessão extraordinária já convocada pelo presidente da Casa, vereador Fernando Dini (MDB), para a próxima quinta-feira, 16, após a sessão ordinária.

Projeto em discussão – Antes da discussão dos projetos em pauta, por sugestão do vereador Engenheiro Martinez (PSDB), o presidente da Casa, Fernando Dini, com anuência do plenário, concedeu ao secretário do Gabinete Central, Eric Vieira, o uso da tribuna para responder a questionamentos dos vereadores acerca do Projeto de Lei 184/2019, que trata da quitação de débitos com o BOS. Também estiveram presentes na sessão o secretário da Fazenda, Marcelo Regalado; o secretário de Relações Institucionais, Flávio Chaves; e a secretária da Saúde, Kelly Schettini.

O vereador Hudson Pessini (MDB), presidente da Comissão de Economia, questionou artigo 4º do projeto de lei que autoriza o Executivo a abrir crédito adicional suplementar no orçamento de 2020, no valor de R$ 6.119.946,00, para fazer frente à quitação da referida dívida. “Como vamos aprovar um crédito suplementar em cima de um orçamento que ainda não foi aprovado?”, questionou, defendendo a alteração do dispositivo que contém essa previsão. Eric Vieira disse que o Executivo estava pedindo apenas autorização para parcelar a quitação em mais de 12 meses, seguindo resolução do Senado Federal.

Anselmo Neto (PSDB) quis saber se a não aprovação impediria o contrato com a Santa Casa. Eric Vieira disse que sim, pois, segundo ele, esse foi o acordo firmado entre Prefeitura, BOS e Santa Casa, envolvendo a logística de equipamentos e recursos humanos. “O BOS, além de estar abrindo mão de um crédito ao qual teria direito, ainda faz a cessão de dois prédios para o município pelo período de 24 meses”, argumentou o secretário. Corroborando Hudson Pessini, Anselmo Neto (PSDB) também defendeu que o artigo 4º seja alterado. O secretário concordou com a alteração e o líder do governo, vereador Irineu Toledo (PRB), ficou encarregado de elaborar a emenda.

Fernanda Garcia (PSOL) criticou a pressa com que o projeto foi enviado à Câmara e questionou o valor da dívida, de 14 milhões, que considera muito alto. João Donizeti Silvestre (PSDB) defendeu a participação do Ministério Público no processo do ajuste de contas entre a Prefeitura e o BOS. Luis Santos (Pros), por sua vez, questionou o fato de não se tratar com a mesma celeridade os débitos da Prefeitura com o Hospital Santa Lucinda e disse que é preciso cobrar o desvio de recursos da gestão anterior da Santa Casa.

A vereadora Iara Bernardi (PT) disse não ser admissível que a Câmara seja obrigada a votar “com a faca no pescoço” um projeto dessa natureza, que envolve dívidas da atual gestão e de gestões anteriores. Também criticou o fato de o Conselho Municipal de Saúde não ter participado da discussão do projeto. O vereador Francisco França (PT) também defendeu a retirada do projeto, para melhor análise, observando que uma aprovação de afogadilho poderia suscitar questionamentos jurídicos posteriores. O vereador Rodrigo Manga (DEM) disse ser favorável ao pagamento da dívida com o BOS, mas também defendeu que o Ministério Público tivesse participado do ajuste relativo aos débitos.

Diante dos questionamentos dos vereadores, temerosos de implicações jurídicas posteriores, caso aprovassem a quitação dos débitos sem ter o devido tempo de analisarem as contas que embasaram o ajuste com o BOS, o vereador Engenheiro Martinez (PSDB) defendeu a retirada do projeto para ser melhor discutido numa reunião com os secretários, antes de nova votação em sessão extraordinária. Eric Vieira disse que o acordo com o BOS envolve questões trabalhistas, o que dificultaria a retirada do projeto, uma vez que a Santa Casa tem de assumir a UPH da Zona Leste já na próxima quarta-feira, 15.

Por fim, com o objetivo de garantir a segurança jurídica da votação e, ao mesmo tempo afastar qualquer risco para a continuidade do atendimento na UPH da Zona Leste, o presidente da Casa, vereador Fernando Dini (MDB), propôs aos vereadores um acordo coletivo para votar o projeto apenas em primeira discussão, deixando a segunda discussão para nova sessão extraordinária, na quinta-feira, 16, logo após a sessão ordinária.

Antes disso, nesta terça-feira, 14, às 13 horas, logo depois da sessão ordinária, o projeto será discutido com os secretários municipais, que irão apresentar aos vereadores toda a documentação que embasou o ajuste de contas com o BOS. O projeto acabou sendo aprovado em primeira discussão, por 11 votos a 7, com emenda supressiva do vereador Irineu Toledo (PRB), retirando o dispositivo que previa crédito adicional.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Shopping realiza campanha promocional para o Dia das Crianças

Trio de jovens é detido com mais de 600 porções de drogas na Vila Sabiá

Acusada de ameaçar alunos aparece em vídeo gravado pela prefeitura defendendo ensino do Sesi

DDM busca dados de motoristas do Uber no caso do estupro de advogada

Bolsonaro diz não achar ‘nada de mais’ dar carona em avião oficial

Governo prepara editais de concessão de serviços em parques nacionais