Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro venceria todos os rivais na eleição de 2022, mostra pesquisa

Jovem Pan News
Postado em: 24/07/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

Se a eleição para presidente da República fosse hoje, Jair Bolsonaro (sem partido) seria reeleito. O chefe do Executivo é o favorito em todos os cenários eleitorais segundo levantamento realizado pelo instituto Paraná Pesquisas, divulgado nesta sexta-feira, 24. Em um cenário de disputa com Sérgio Moro e Fernando Haddad (PT), Bolsonaro aparece à frente com 29%, contra 17,1% do ex-ministro da Justiça e 13,4% do petista. Caso o candidato do Partido dos Trabalhadores seja Lula, o ex-capitão do exército lidera com 27,5% dos votos, ante 21,9% do petista e 16,8% de Moro. Já em uma virtual disputa com o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), Bolsonaro lidera com folga maior, de 30,7% contra 5,7% das intensões de voto do antigo aliado. Nesta semana, Mandetta afirmou que não descarta concorrer à Presidência da República em 2022.

A eleição de 2022 ainda está distante, mas em um eventual segundo turno, Bolsonaro também seria eleito em todos os cenários. Diante de Haddad, o presidente venceria por 46,6% contra 32%. Com Moro ficaria 44,7% para Bolsonaro, ante 35% do ex-ministro. E diante de Lula, a vitória seria de 45,6% versus 36,4%. O presidente Jair Bolsonaro conseguiu elevar a sua popularidade apesar de todo o clima turbulento enfrentado tanto no combate à pandemia da Covid-19 como na política. Nos últimos meses, o país se viu em controvérsias entre o governo federal e os estados em relação a medidas de combate ao coronavírus. O número de mortos pela doença ultrapassou os 80 mil e o de contaminados supera 2,2 milhões – acometendo inclusive o próprio Bolsonaro. Teve ainda a saída do ministro Sérgio Moro, uma abertura de inquérito para apurar interferência política na Polícia Federal, a divulgação do vídeo da reunião ministerial, o cerco do STF a bolsonaristas, a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, na casa do advogado do próprio Bolsonaro, além do vácuo de um comandante do Ministério da Saúde após a saída de dois ministros, entre outros fatos.

Dois fatores podem explicar esse fenômeno de Bolsonaro: o auxílio emergencial, que amenizou efeitos econômicos da pandemia para a população carente, e o próprio isolamento do presidente no Palácio do Alvorada após ter sido diagnosticado com Covid-19. Nesse período, Bolsonaro evitou falar à imprensa e fazer ataques a adversários. O chefe do Executivo está em isolamento desde o dia 7 deste mês. A estratégia de Bolsonaro de se manter reservado e distante da mídia tem sido positiva para o governo. 

O levantamento ainda mostra a diferença de votos entre Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), um dos principais opositores do presidente na condução do país em meio à pandemia da Covid-19. Nos três cenários apresentados, o tucano aparece atrás com intensões de votos que variam entre 3,8% e 4,6%. O apresentador Luciano Huck também aparece em dois possíveis embates, com intensões que variam entre 8,3% e 6,5%. Ciro Gomes (PDT) aparece nos três cenários com variações entre 10,7% e 8,3%. Já Guilherme Boulos (PSOL), líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e candidato a Prefeitura de São Paulo, aparece com 1% e 0,7%. O governador do Rio de Janeiro e também ex-aliado da família Bolsonaro, Wilson Witzel (PSC) aparece nos três cenários com intensões que variam de 0,7% a 0,9%. João Amoedo, que despontou na última eleição com o partido Novo, aparece em três cenários com 3,4% a 4% das intensões.

Aprovação do governo

O número de eleitores que aprovam a gestão de Bolsonaro subiu de 44% em maio para 47,1% em julho, enquanto o índice de desaprovação caiu 51,7% para 48,1%. As pessoas que afirma que o governo é ótimo cresceu de 9,8% em março para 11,4% em julho, enquanto os que afirmam ser ruim recuou de 13,4% para 11,9%. A avaliação de que a gestão é boa se manteve estável com 22% em maio e 22,9% em julho, e quem acha péssimo também se manteve em 26% em maio e 26,1% em julho. Regular passou de 27,3% para 25,8%. O levantamento do instituto Paraná Pesquisas mostra que o perfil do apoiador bolsonarista é homem, com idade entre 25 e 34 anos, possui até o ensino médio completo e mora no Norte ou Centro-Oeste brasileiro. A pesquisa entrevistou 2.030 pessoas em 188 cidades, entre os dias 18 e 21 de julho. A margem de erro é de 2% para cima ou para baixo.

Uma outra pesquisa divulgada pelo instituto DataPoder360 nesta quinta-feira, 23, apontou que o presidente era desaprovado por 46% dos eleitores, enquanto 43% aprovavam. O número de simpatizantes cresceu 3% em relação ao levantamento anterior, feito na primeira semana de julho, enquanto o que não concordam com a gestão caiu 1%. Na primeira semana de junho, o mesmo levantamento apontou que a gestão de Bolsonaro era aprovada por 41% dos eleitores, ante 50% de desaprovação.  A pesquisa foi realizada de 20 a 22 de julho de 2020 com 2.500 entrevistas em 560 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Idosos acima de 90 anos começam a ser vacinados em São Paulo

Bolsonaro tem dieta oral suspensa e vai para alimentação endovenosa

Justiça identifica donos de perfis que comemoraram a morte do neto de Lula

Aulas na rede municipal de Sorocaba estão suspensas até 29 de maio

Prefeitura apura denúncia da Jovem Pan de quase cinco mil frascos de álcool em gel vencidos

`Homem-Pateta´ é preso em Sorocaba; criminoso é adolescente morador da Zona Norte