Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro sanciona lei que permite faltar à aula por motivo religioso

Postado em: 04/01/2019

Compartilhe esta notícia:

Estudantes poderão faltar aulas e provas por motivos religiosos. É que estabelece lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro e publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (4). A lei entrará em vigor em 60 dias, em março. A partir desse mês, as escolas terão ainda dois anos para tomar as providências e fazer as adaptações necessárias para colocar a medida em prática.

As informações são da Agência Brasil.

A nova lei estabelece que estudantes de escolas e universidades públicas e privadas poderão se ausentar de provas ou aulas, em dias que, “segundo os preceitos de sua religião, seja vedado o exercício de tais atividades”. Para isso, os estudantes terão que apresentar um requerimento com a devida antecedência.

Para repor as atividades, as instituições de ensino poderão aplicar prova ou aula de reposição, conforme o caso. Poderão ainda solicitar dos alunos um trabalho escrito ou outra modalidade de atividade de pesquisa. Os estudantes que fizerem essas atividades terão garantida a presença.

A lei não se aplica, no entanto, às escolas militares. Isso porque o ensino militar é regulado em lei específica, admitida a equivalência de estudos, de acordo com as normas fixadas pelos sistemas de ensino.

De acordo com Agência Senado, a estimativa de líderes religiosos é que cerca de 2 milhões de brasileiros guardam o sábado e, por razões de fé, não podem estudar ou trabalhar até o pôr do sol.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mulher é detida após tentar entrar em CDP com celular escondido no órgão genital

Chef oferece aulas de culinária individuais e para pequenos grupos

Quem é Luis Lacalle Pou, que levou a oposição de volta ao poder no Uruguai

Espanha volta a registrar mais de 2 mil casos diários da Covid-19 e teme 2ª onda de contágios

Sorocaba tem a menor taxa de letalidade da Covid-19 entre as maiores cidades paulistas

Mega-sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 72 milhões