Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro insulta repórter da Folha de S.Paulo com insinuação sexual e depois culpa imprensa

Pedro Ladeira/Folhapress
Postado em: 18/02/2020

Compartilhe esta notícia:

Gustavo Uribe, da Folhapress

O presidente Jair Bolsonaro insultou nesta terça-feira (18), com insinuação sexual, a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo. "Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]", disse o presidente, em entrevista diante de um grupo de simpatizantes em frente ao Palácio da Alvorada.

A declaração do presidente foi uma referência ao depoimento de um ex-funcionário de uma agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp, dado na semana passada à CPMI das Fake News no Congresso.

O depoimento à comissão foi de Hans River do Rio Nascimento, que trabalhou para a Yacows, empresa especializada em marketing digital, durante a campanha eleitoral de 2018.

Em dezembro daquele ano, reportagem da Folha de S.Paulo, baseada em documentos da Justiça do Trabalho e em relatos do depoente Hans, mostrou que uma rede de empresas, entre elas a Yacows, recorreu ao uso fraudulento de nome e CPFs de idosos para registrar chips de celular e garantir o disparo de lotes de mensagens em benefício de políticos.

Já na CPMI, diante de deputados e senadores, ele deu informações falsas e insultou Patrícia, uma das autoras de reportagem sobre o uso fraudulento de nomes e CPFs para permitir o disparo de mensagens.

Presente à sessão, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, aproveitou a fala de Hans para difundir ofensas e fazer insinuações contra a repórter da Folha de S.Paulo, tanto no Congresso como em suas redes sociais.

Sem apresentar provas, Hans afirmou que Patrícia queria "um determinado tipo de matéria a troco de sexo", declaração reproduzida em seguida por Eduardo Bolsonaro nas redes sociais.

Nesta terça-feira, em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro falou sobre o caso.

"Olha a jornalista da Folha de S.Paulo. Tem mais um vídeo dela aí. Não vou falar aqui porque tem senhoras aqui do lado. Ela falando: "Eu sou (...) do PT", certo? O depoimento do Hans River, foi final de 2018 para o Ministério Público, ele diz do assédio da jornalista em cima dele", diz o presidente, para em seguida, aos risos, fazer o insulto com insinuação sexual.

"Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]. Lá em 2018 ele [Hans] já dizia que ele chegava e ia perguntando: "O Bolsonaro pagou pra você divulgar pelo Whatsapp informações?" E outra, se você fez fake news contra o PT, menos com menos dá mais na matemática, se eu for mentir contra o PT, eu tô falando bem, porque o PT só fez besteira."

"Tem um povo aqui [em referência a um grupo de simpatizantes], alguém recebeu no zap uma matéria qualquer que suspeitou pra prejudicar o PT e me beneficiar? Ninguém recebeu nada. Não tem materialidade, zero, zero zero. Você não precisa mentir pra falar sobre o PT, os caras arrebentaram com Petrobras, fundo de pensões, BNDES..."

A Folha de S.Paulo divulgou a seguinte nota sobre o insulto de Bolsonaro: "O presidente da República agride a repórter Patrícia Campos Mello e todo o jornalismo profissional com a sua atitude. Vilipendia também a dignidade, a honra e o decoro que a lei exige do exercício da Presidência".

Mais tarde, o presidente se dirigiu novamente aos veículos de imprensa, após reunião com a equipe de governo, e voltou a tratar do assunto diante da repercussão negativa da declaração.

"Alguém da Folha de S.Paulo aí? Alguém da Folha de S.Paulo aí? Eu agredi sexualmente uma repórter hoje? Parabéns à mídia, aí. Não quero conversa. Eu cometi uma violência sexual contra a imprensa hoje?", perguntou.

Ele foi questionado, então, se mantinha a declaração e se não achava desrespeitoso ter insultado a repórter com uma insinuação sexual. O presidente, no entanto, não quis responder e, como já é de praxe quando se irrita com um assunto, abandonou a entrevista.

Em uma série de reportagens desde outubro de 2018, a Folha de S.Paulo revelou a contratação durante a campanha eleitoral de empresas de marketing que faziam envios maciços de mensagens políticas

A primeira reportagem mostrou que empresas estavam interferindo nas eleições de 2018 ao comprar pacotes de disparos de mensagens contra o PT no WhatsApp. A disseminação funciona por meio do disparo a números de celulares obtidos por agências. Uma outra tratou do uso de forma fraudulenta CPFs de idosos e até contratando agências estrangeiras.

O depoimento mentiroso de Hans à CPMI causou uma série de reações em defesa da Folha de S.Paulo e da repórter.

O jornal repudiou em nota as mentiras e os insultos e, em reportagem baseada em documentos e gravações, apontou uma a uma as mentiras do depoente.

As manifestações contra os ataques incluíram desde líderes do Congresso a entidades da sociedade civil, de imprensa e defesa dos direitos humanos. Mulheres jornalistas divulgaram um manifesto de apoio, e um coletivo de jornalistas cobrou do Twitter exclusão de postagens ofensivas contra a repórter.

Já a relatora da CPMI, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), acusou Hans de ter mentido em seu depoimento e pediu que a Procuradoria-Geral da República investigue o caso.

O Código Penal estipula que fazer afirmação falsa como testemunha em processo judicial ou inquérito é crime, com pena prevista de dois a quatro anos de reclusão, além de multa. Na condição de testemunha, Hans se comprometeu em falar a verdade à comissão. O regimento do Senado diz que a inquirição de testemunhas em CPIs segue o estabelecido na legislação processual penal.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

CEI-106 do Jd São Guilherme é furtado duas vezes em menos de uma semana

Crespo manda “tropa de secretários” para defender taxa de iluminação em audiência

Imprensa internacional destaca perfil anticorrupção de Sergio Moro

Supremo marca para quinta-feira o julgamento sobre prisão em 2ª instância

Sindicato dos Servidores Municipais aponta contradições na terceirização da educação

Lippi ‘confrontou’ presidente estadual do PSDB ao ‘justificar’ cassação de Crespo