Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro diz que ‘não tem que ter pena’ de sequestrador e defende uso de atirador

Postado em: 20/08/2019

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

O presidente Jair Bolsonaro defendeu a atuação de um atirador de elite contra o homem armado que manteve passageiros de um ônibus reféns por quase quatro horas na ponte Rio-Niterói, na manhã desta terça-feira (20), e afirmou que “não tem que ter pena”. O suspeito foi morto pela polícia pouco depois.

“Estou sabendo [do caso]. No meu entender [a solução seria], snipper”, disse. “Eu defendo que o cidadão de bem não morra nas mãos dessas pessoas”, acrescentou.

A entrevista foi concedida antes da execução do sequestrador por um atirador de elite. Bolsonaro disse que a solução para o episódio seria o uso de um “snipper” para que o “cidadão de bem não morra nas mãos dessas pessoas”.

Depois da ação policial no Rio de Janeiro, o porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess, confirmou o óbito e disse que a arma usada pelo sequestrador era de brinquedo.

O criminoso, ainda não identificado, foi atingido no momento em que deixava o veículo. Nenhum dos reféns foi baleado. A polícia disse não saber, até a conclusão desta reportagem, as motivações que levaram o suspeito a sequestrar o ônibus.

Na entrevista, Bolsonaro lembrou do caso do sequestro do ônibus 174, em 2000, quando a professora Geísa Firmo Gonçalves foi assassinada pelo sequestrador Sandro Barbosa do Nascimento.

“Não foi usado snipper e morreu uma professora inocente. Depois, esse vagabundo morreu no camburão”, disse. “Não tem de ter pena.”

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), afirmou que vai promover os atiradores e elogiou o trabalho da polícia

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Morador de rua morre eletrocutado durante temporal

Com máscara de idoso, homem tenta assaltar banco em Santa Catarina

Vereador líder da base de Crespo reclama de oposição ‘sistemática’ na Câmara

Mutirão de Castração de animais na região da Vila Hortência receberá inscrição a partir de quarta

Rodada de palestras inspiradas no Vale do Silício

Bolsonaro diz que trabalhará por fim de reeleição e propõe Congresso 20% menor