Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro anuncia Carlos Decotelli, ex-presidente do FNDE, para Educação

Reprodução / Facebook
Postado em: 25/06/2020

Compartilhe esta notícia:

Julia Chaib e Gustavo Uribe, da Folhapress

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou o ex-presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) Carlos Decotelli, 67, para ser ministro da Educação.

"Informo a nomeação do Professor Carlos Alberto Decotelli da Silva para o cargo de Ministro da Educação. - Decotelli é bacaharel em Ciências Econômicas pela UERJ, Mestre pela FGV, Doutor pela Universidade de Rosário, Argentina e Pós-Doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha", disse o presidente.

Decotelli, oficial da reserva da Marinha, vai suceder Abraham Weintraub, que foi demitido da pasta na semana passada após uma série de desgastes com o STF (Supremo Tribunal Federal).

É o primeiro ministro negro do governo Bolsonaro.

O nome de Decotelli foi indicado pela cúpula militar, em uma sugestão dos almirantes do governo. Ele também contou com o apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes, com quem atuou no passado no IBMEC (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais).

O almirante Flavio Rocha (Secretário de Assuntos Estrategicos) teve papel essencial na aproximação do novo ministro com o presidente.

Bolsonaro conversou nesta quinta com Decotelli e o convidou para o ministério.​ ​Foi escolhido em um contraponto à defesa do grupo ideológico por um nome olavista para a função que tivesse afinidade com Weintraub.

O novo auxiliar atuou na equipe do presidente durante a transição de governo. Com a nomeação, ele será o 11º ministro militar do atual governo.

Decotelli é considerado de perfil conciliador e moderado por pessoas próximas. Ele comandou o FNDE de fevereiro de 2019 até agosto do ano passado.

A nomeação, nas palavras de auxiliares presidenciais, foi um aceno do presidente a um discurso de pacificação. Desde a semana passada, após perder apoio nas redes sociais, Bolsonaro moderou o tom e começou a fazer gestos de aproximação ao Legislativo e ao Judiciário.​

A pouca experiência política do novo ministro, contudo, é vista com ressalvas por deputados bolsonaristas. Segundo eles, Decotteli tem pouca interlocução, por exemplo, junto à frente parlamentar da educação.

No meio educacional, é relativamente bem visto por não ser olavista, mas também criticado por não ter jogo de cintura no universo político, o que pode trazer dificuldades para além da burocracia do ministério.​

Mais cedo, Bolsonaro comunicou Renato Feder, secretário de Educação do Paraná, de que ele estava fora do páreo nesta quinta-feira (25). O secretário se reuniu ao menos duas vezes com o presidente.

Um dos motivos que levaram o secretário a desidratar na bolsa de apostas foi o fato de ele ter sido um dos doadores da campanha de João Doria (PSDB-SP) ao governo de São Paulo em 2018.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Presidente parece torcer contra a vacina de Covid-19, diz Doria

Reunião define detalhes de ferramenta virtual contra crimes cometidos no trânsito

Telefone 118 Transportes da Urbes atende, em média, 12 mil ligações por mês

Jovem liga para Polícia Militar, confessa que é traficante e pede para ser preso

Morre, aos 39 anos, a cantora Deise Cipriano do Fat Family

Após acordo com Bolsonaro, Congresso mantém veto ao Orçamento impositivo do Executivo