Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Ativista social que ajudava vítimas de abusos de João de Deus se suicida

Postado em: 03/02/2019

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

A ativista social Sabrina Bittencourt, que recebeu as primeiras denúncias de assédio sexual contra o médium João de Deus, se suicidou na noite de sábado (2).

A morte foi confirmada em uma nota divulgada pelo grupo Vítimas Unidas, ONG de apoio a vítimas de abuso do qual Sabrina fazia parte.

Segundo a nota, assinada pela presidente da organização, Maria do Carmo Santos, e pela fundadora, Vana Lopes, Sabrina morreu por volta das 21h, em Barcelona, onde vivia.

“A luta de Sabrina jamais será esquecida e continuaremos, com a mesma garra, defendendo as minorias, principalmente as mulheres que são vítimas diárias do machismo”, afirma a nota.

Às 20h05 de sábado, Sabrina publicou em seu perfil do Facebook um texto dizendo que iria se unir à vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018. “Eu fiz o que pude, até onde pude. Meu amor será eterno por todos vocês. Perdão por não aguentar, meus filhos. Vocês terão milhares de mães no mundo inteiro”, disse o texto.

Sabrina deixa três filhos. No Facebook, seu filho mais velho, Gabriel Baum, escreveu na manhã deste domingo: “Ela só se transformou em outra matéria. Nós seguiremos por ela. Foi isso que minha mãe me ensinou e ninguém vai poder tirar de mim. Não permitam que manchem o nome dela.”

Ele continua dizendo que estava com a mãe quando Marielle foi assassinada. “Minha mãe me passou o ano todo me preparando, mas nunca estamos preparados mesmo”, afirmou.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Cirurgia de Bolsonaro está confirmada para esta segunda-feira

Corpo de idoso atropelado em rodovia será sepultado nesta quinta-feira

RASO estreia no final de semana na sede do Coletivo CÊ em Votorantim

Zoo de Sorocaba comemora 51 anos com entrega de bolos e presentes aos animais

Idosa é atropelada por motociclista durante manifestação na avenida Itavuvu

Em início de crise, ministro fica isolado, e Lava Jato prova do seu próprio veneno