Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

América Latina é o epicentro da pandemia, e Brasil é país mais preocupante, diz OMS

Foto: Zanone Fraissat/Folhapress
Postado em: 22/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Ana Estela de Sousa Pinto, da Folhapress

A América Latina é o novo epicentro da pandemia de coronavírus e o Brasil é o país mais preocupante, disse nesta sexta (22), em entrevista pela internet, Michael Ryan, diretor-executivo da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Com 1.188 novas mortes por coronavírus nas 24 horas entre quarta (20) e quinta (21), segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil bateu novo recorde de mortes diárias e passou de 20 mil óbitos. É o terceiro com mais casos no mundo, 310.087 casos confirmados até quinta, atrás dos EUA e da Rússia.

Estimativas também divulgadas nesta sexta pelo Imperial College indicam que a transmissão da doença continua acelerando no Brasil. A taxa de contágio (Rt), que indica para quantas pessoas em média cada infectado transmite o coronavírus, foi calculada em 1,3 (quando está acima de 1, a transmissão está fora de controle).

O centro de epidemiologia da universidade, referência no acompanhamento de doenças transmissíveis, calcula que 6.980 mortes ocorram nesta semana, variando de 5.850 a 8.070. O número estimado é o maior número entre os 54 países com transmissão ativa (ao menos cem mortes registradas desde o começo da pandemia e pelo menos dez mortes nas últimas duas semanas).

Em segundo lugar está o Reino Unido, com 2.400 mortes na semana, mas com uma taxa de contágio de 0,84, o que mostra a transmissão sob controle. Os Estados Unidos não entraram nesta edição porque foram objeto de um estudo em separado, com comparações entre seus estados.

Sobre o estado da pandemia no Brasil, Michael Ryan afirmou que, embora o maior número de casos seja em São Paulo, a situação mais séria é a do Amazonas, que tem o maior número de casos em relação à população.

O diretor-executivo mencionou espontaneamente a aprovação pelo Brasil do uso de cloroquina para o tratamento de Covid-19 e ressaltou que não há evidências de que o medicamento seja eficaz para combater a doença. A OMS apoia o uso de cloroquina apenas em estudos clínicos em hospital, e sob acompanhamento médico.

Ainda respondendo à pergunta sobre o Brasil, a líder técnica da OMS, Maria van Kerkhove, afirmou que os países devem ficar atentos para o fato de que há grupos vulneráveis, com menos acesso a tratamentos de saúde e menos informações, e que governos precisam garantir que todos possa ser testados e tratados caso estejam contaminados pelo coronavírus.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Instituto Dr. Miguel Soeiro realiza campanha em prol da população carente

MC Gui pede desculpas após ser acusado de praticar bullying com criança na Disney

Mãe descobre que filha de 10 anos era assediada por criminoso ao mexer no celular da criança

Conheça as medidas de segurança contra covid-19 para o dia da votação

Briga entre vizinhos termina com idoso esfaqueado; crime ocorreu na Zona Leste de SP

Maia ironiza recriação da CPMF: ‘Daqui a pouco vão dar nome em inglês’