Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Alexandre Frota é condenado a picar papel por atribuir falsa fala de pedofilia a Jean Wyllys

Postado em: 20/12/2018

Compartilhe esta notícia:

A Justiça Federal em São Paulo condenou o deputado federal eleito Alexandre Frota (PSL) a pena de 2 anos e 26 dias de detenção no regime inicial aberto e pagamento de 310 salários-mínimos (aproximadamente R$295 mil) de multa. Como a pena é pequena, a Justiça a substituiu por serviços comunitários. Frota deverá trabalhar, por cinco horas diárias, no auxílio à destruição/picotagem de papéis no Fórum Federal do município onde estiver residindo durante o período refente à pena. A decisão, publicada na segunda-feira (17), é da juíza federal Adriana de Zanetti.

As informações são da Agência Brasil.

“Conclui-se que Alexandre Frota Andrade incorreu nos delitos de difamação e injúria. Não havendo excludentes de ilicitude e presentes os elementos da culpabilidade [imputabilidade, potencial consciência da ilicitude do fato e exigibilidade de conduta diversa], a condenação é medida que se impõe”.

De acordo com a ação, a difamação e injúria foi cometida contra o deputado federal Jean Wyllys (PSOL). Entre outras acusações, estão a atribuição feita, em redes sociais, por Frota a Wyllys das seguintes frases: “pedofilia é uma prática normal em diversas espécies de animal, anormal é o seu preconceito”, e “nós brasileiros temos que aceitar a tradição dos muçulmanos de se casarem com meninas menores de 10 anos. Não é pedofilia, é cultura islâmica”. Ambas não foram proferidas pelo deputado do PSOL.

Frota poderá recorrer da decisão. Em suas redes sociais, ele disse nesta terça-feira que a condenação é absurda e irá contestá-la. Ele disse ainda que a decisão ocorreu na Justiça Federal em Osasco (SP), “reduto do PT”, segundo ele. Frota foi diplomado hoje, na capital paulista, como deputado federal pelo PSL.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Vereador afirma que empresa com 40 anos de existência tem alvará de funcionamento negado

Hospital que atendeu Bolsonaro e comitiva deve mostrar lista de quem tem Coronavírus, decide juíza

Investigação conclui que PM atirou na menina Ágatha no Rio

PM é morto com tiro de fuzil na cabeça durante abordagem

Zema pede agilidade para punir responsáveis por rompimento de barragem

Dono da Havan critica obrigação de instalar piso tátil para cegos em loja