Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

`Ainda é muito cedo para baixar a guarda´, diz presidente do Magazine Luiza sobre isolamento

Arquivo / Folhapress
Postado em: 26/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Paula Soprana, da Folhapress

O Brasil é um dos únicos países que flexibiliza medidas de isolamento social, considerando o comércio, ao mesmo tempo em que indicadores relacionados à Covid-19 crescem, afirmou Frederico Trajano, presidente do Magazine Luiza, em entrevista a jornalistas nesta terça-feira (26).

"No mundo inteiro o protocolo foi: fica duas semanas sem aumentar os casos e mais duas semanas caindo para poder liberar o comércio. O Brasil, talvez por uma pressão de não ter feito tão bem no começo -embora nenhum país tenha ficado três meses com o comércio fechado- testa a reabertura ainda com números crescentes", disse. Segundo ele, ainda é "muito cedo para baixar guarda" em relação ao controle das medidas de isolamento.

A varejista divulgou o balanço financeiro do primeiro trimestre na segunda (25), que contabilizou prejuízo líquido de R$ 8 milhões devido à pandemia de coronavírus, que impôs o fechamento de lojas físicas.

Com 40% das cerca de 1.100 lojas já abertas, a companhia adotou um sistema particular de retorno que, muitas vezes, independe dos decretos municipais.

A empresa mapeia mais de 60 variáveis, que incluem mortes, crescimento dos casos e ocupação de leitos municipais, e só autoriza a abertura do ponto comercial quando a cidade bate um score. Algumas lojas não são reabertas mesmo quando há autorização governamental.

"Nos lugares que considerarmos que não é seguro, não vamos abrir", diz Trajano, destacando que a empresa tem uma situação de caixa privilegiada que lhe permite tomar essa decisão. Em Santa Catarina, alguns pontos foram reabertos duas semanas após os decretos permitirem a retomada comercial.

A previsão do executivo é que a maior partes das lojas abram em dois meses. O ecommerce, que representava 50% do faturamento pré-pandemia, tende a manter a trajetória de alta. O setor cresce há 13 trimestres consecutivos.

No primeiro trimestre, com as lojas ainda abertas, os pontos físicos cresceram 7% e o online, 73%. Na economia, Trajano estima que o ecommerce parta dos 5% de participação no pré-coronavírus para 10% na fase posterior à pandemia.

O Magalu foi um dos primeiros a fechar as lojas no início da crise. Cerca de 20 mil pessoas entraram em férias. Nos lugares que já retomaram as vendas, a empresa adotou o uso de acrílicos em áreas de pagamento, medição de temperatura a funcionários, regras de lotação máxima e de distanciamento social e, em alguns casos, higienização hospitalar.

Em seu balanço financeiro divulgado na segunda, a empresa registrou lucro de R$ 30,8 milhões nos primeiros três meses deste ano ao considerar resultados não recorrentes, como créditos tributários, provisão para riscos tributários e despesas pré-operacionais de lojas, 76,7% menor que no ano anterior.

A companhia estima que as lojas físicas deixaram de vender R$ 500 milhões enquanto permaneceram fechadas.

O ecommerce, por outro lado, cresceu 72,6% em relação ao primeiro trimestre de 2019, se tornando, pela primeira vez, a maior parte das vendas da varejista, com 53% do total. No último trimestre de 2019, essa fatia era de 48%.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Shopping Cidade Sorocaba apresenta aos lojistas as atrações de final de ano

Presos escapam de CPP de Porto Feliz; três penitenciárias paulistas também registram fuga

Manga questiona a Prefeitura se existe “indústria de multa” em Sorocaba

Iguatemi Esplanada divulga ganhadores no sorteio de Natal

Vigilância Sanitária interdita indústria de cosméticos na zona Leste de Sorocaba

WhatsApp desenvolve recurso que pede permissão para entrar em grupo