Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Aécio Neves vira alvo de bolsonaristas por projeto que prevê punição a quem não se vacinar

Arquivo
Postado em: 28/10/2020

Compartilhe esta notícia:

Camila Mattoso, da Folhapress

A proposta do deputado Aécio Neves (PSDB-MG) de criar sanções para quem não quiser se vacinar contra a Covid-19, nos mesmos moldes de quem deixa de votar, repercutiu nas redes bolsonaristas.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o tucano levou a proposta a Rodrigo Maia (DEM-RJ) nesta terça (27).

O ex-deputado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, que se aliou a Jair Bolsonaro neste ano, criticou a ideia.

"Aécio Neves andava tão sumido que muitos nem lembram que ele é deputado federal. E Aécio resolveu aparecer apresentando um projeto que pune as pessoas que se recusarem a tomar vacina contra covid-19. Se é para apresentar uma besteira dessas, melhor continuar desaparecido", escreveu Jefferson, em suas redes sociais.

O deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) também atacou a proposta.

"Aécio, pode começar a punição comigo. Não defenda aquilo que não existe", escreveu no Twitter.

O empresário bolsonarista Otávio Fakhoury, um dos apoiadores da criação do Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro tentou criar, reclamou que o projeto, se aprovado, feriria a Constituição.

"Estamos chegando perigosamente no limite! Engrenagens do sistema se juntam para RETIRAR nossa liberdade, garantida pelo TEXTO da CF. O projeto de lei do TUCANO Aécio Neves é inconstitucional, e atenta contra o regime vigente, violando a LSN, segundo o amigo @renatorgomesof1", escreveu.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Fux suspende decisão de Marco Aurélio e determina retorno à prisão de chefe do PCC

O Teatro Escola Mario Persico precisa do seu apoio - confira a coluna de José Simões

Vânia Andries - veja artigo semanal do colunista Vanderlei Testa

Venezuela já fez três remessas de doação de oxigênio a Manaus

Adolescente dá à luz durante bloco KondZilla em São Paulo

Aeroclube de Sorocaba será tema de audiência pública na quarta-feira