Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Advogado de Taty Polis aponta empresário ligado a jornal como autor de denúncias

Postado em: 09/04/2019

Compartilhe esta notícia:

O presidente da OAB Sorocaba, Márcio Leme, que é advogado da ex-assessora e ex-voluntária do prefeito José Crespo, Tatiane Polis, afirmou na tarde desta terça-feira (9) que o empresário Antônio Bocalão Neto é o autor das mensagens apócrifas de WhatsApp que denunciaram a atividade ilegal de Polis junto à Prefeitura de Sorocaba. Por esse motivo, ele pediu a “redefinição da CPI do Falso Voluntariado”, o adiamento da oitiva de sua cliente e que Bocalão também seja ouvido, antes de Tatiane.

“As mensagens que foram enviadas ao Sindicato dos Servidores, assim como mensagens que foram enviadas à CPI, era de um telefone anônimo. Esse telefone anônimo foi descoberto. É de uma pessoa chamada Antonio Bocalão Neto, envolvido na Operação Casa de Papel”, afirmou o advogado.

Bocalão é marido da proprietária do jornal Gazeta do Interior, Bianca Múnis, e um dos investigados na Operação Casa de Papel, deflagrada nesta última segunda-feira (8), pela Polícia Civil e Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). Com o jornal, Bocalão teria recebido recursos da Prefeitura por meio de veiculação de anúncios publicitários da administração municipal.

O prefeito José Crespo (DEM) chegou a compartilhar, em sua página nas redes sociais, uma publicação do jornal com um balanço de seus dois anos de governo. Ontem, em declarações a veículos de comunicação, o Chefe do Executivo declarou que não conhecia o jornal.

width=719
Reprodução Facebook

A versão de Leme, que teve acesso aos autos da investigação, é de que Bocalão teria se passado por servidor público da Secretaria de Comunicação e Eventos (Secom) para enviar as mensagens. “Com a operação, veio à tona que jamais houve denúncia de servidor da Secom contra a Tatiane. O que houve foi essa pessoa, chamada Antonio Bocalão Neto, que fez denúncias junto à CPI, denúncias junto ao Sindicato, cujas denúncias deflagaram os trabalhos da CPI”, explicou o presidente da OAB.

Com esta nova informação, o defensor de Tatiane Polis protocolou um pedido no Legislativo Municipal para que a comissão seja redefinida, pelo fato das mensagens não terem sido enviadas por servidores municipais, bem como o adiamento.

A oitiva de Taty Polis havia sido marcada semana passada. Entretanto, expectativa é de que CPI faça abertura dos trabalhos normalmente.

De acordo com Leme, que também é presidente da OAB Sorocaba, sua defesa não teve acesso ao conteúdo de servidores ouvidos pela CPI, o que poderia prejudicar a audiência da mesma. Questionado pelo Ipa Online se Taty Polis ainda atua na prefeitura, seu próprio advogado disse não saber responder. Ele ainda declarou: “ela não virá sem ter o prévio acesso aos depoimentos”.

O advogado chegou a revelar que descobriu a fonte anônima que denunciou o voluntariado de sua cliente à imprensa da cidade. Seria um dos investigados na Operação Casa de Papel, deflagrada nesta última segunda-feira (8), pela Polícia Civil e Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado.

A presidente Iara Bernardi (PT) recebeu a notícia com surpresa, já que o protocolo ocorreu às 13 horas, faltando 1 hora apenas para ocorrer a oitiva. Para ela, o fato pode ser considerado uma “fuga”. A parlamentar disse que, após consultar o Jurídico da Casa Legislativa, pode convocá-la de forma coercitiva.

Obstrução da CPI

A vereadora Iara Bernardi (PT) anunciou, durante a sessão ordinária desta terça-feira (9), que a Prefeitura de Sorocaba deixou de responder a requerimentos de autoria da Comissão Parlamentar de Inquérito 001/2019, conhecida como CPI do Falso Voluntariado. Após a aprovação dos requerimentos na Câmara, a Prefeitura tinha 7 dias para respondê-los. Contudo, passaram-se mais de 12 dias e até a sessão desta terça, o Paço não havia enviado as respostas requeridas.

Iara, que é Presidenta da CPI, e a vereadora Fernanda Garcia (PSOL), relatora das investigações, saíram da sessão após aprovação da Presidência da Casa de Leis, e foram ao Paço para entregar dois ofícios solicitando as respostas pendentes. Elas entregaram os ofícios para o Prefeito José Crespo (DEM) e para a secretária de Cidadania e Participação Popular, Suélei Gonçalves.

Segundo Iara, a secretária Suélei já tinha as respostas necessárias, mas não as entregou, recebendo o ofício a ela endereçado. O Prefeito Crespo disse estar em reunião, e não recebeu o ofício endereçado a ele. O Secretário de Relações Institucionais, Flávio Chaves, e o Secretário de Gabinete Central, Éric Vieira, também não quiseram receber o documento, que foi protocolado na Secretaria do Gabinete Central.

“Essa demora em enviar as respostas à CPI pode ser entendida como uma tentativa de obstruir as investigações da comissão, e é assim que a estamos entendendo agora. Vamos adotar as medidas cabíveis caso essa situação permaneça dessa forma, caso os documentos solicitados não cheguem até às 17h de hoje. Essa situação é inadmissível”, disse Iara.

O  caso

A ex-assessora da Prefeitura de Sorocaba, Tatiane Pólis, tem prestado serviços ao governo do prefeito José Crespo de modo ilegal, segundo decreto assinado pelo próprio chefe do Executivo, em 2017. A ex-funcionária, que foi condenada a quatro anos de prisão em regime aberto no caso do diploma falso, com pena revertida em multa e prestação de serviço, tem sido flagrada em diversos eventos da prefeitura, como inaugurações e reuniões nos gabinetes do 6º andar do Paço Municipal. A ação é tipificada criminalmente como Usurpação de Função Pública, de acordo com o artigo 328 do Código Penal.

Denúncias anônimas na internet têm citado diversas interações da ex-assessora com secretários municipais e lideranças comunitárias. Um áudio que circulou a internet nesta segunda-feira, atribuído a uma liderança comunitária do Jardim Ipiranga, fazia menção à capacidade da ex-assessora em influenciar decisões dentro da prefeitura. Ela também foi flagrada em diversos eventos, como os projetos Gabinete no Bairro, inauguração da UPH Zona Norte e até em reuniões no gabinete do 6º andar do Paço Municipal sobre o projeto Fala Bairro.

width=1096
Taty Pólis no gabinete do prefeito José Crespo, sentada à mesa de reunião há duas semanas, discutindo o Fala Bairro

Segundo informações enviadas à TV TEM Sorocaba, a Prefeitura já informava em 13 de dezembro que a ex-assessora era voluntária, mas o termo de voluntariado enviado pela Administração Municipal era datado de 17 de dezembro. Até o momento, ela não aparece no cadastro de voluntários da Secretaria de Cidadania.

A Secretaria de Cidadania informou que a documentação de Taty Polis estaria diretamente com o prefeito e não na pasta. Já a Secom informou à TV TEM que Taty Polis é voluntária desde 17 de dezembro, contrariando um próprio e-mail da secretaria à emissora, que dizia que a assessora já estava no voluntariado do Paço desde o dia 13 de dezembro.

Taty Pólis também aparece em conversas de um grupo do WhatsApp intitulado Secom 2019, que possui os servidores que trabalham na Secretaria de Comunicação e Eventos. Algumas trocas de mensagens indicam a participação ativa da ex-assessora na pasta. Em uma delas, inclusive, ela cita ter uma agenda com o prefeito.

width=242
Crédito: Reprodução/G1

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Votorantim confirma mais 37 casos de Covid-19

GCM e PM realizam ‘Operação Saturação’ em quatro bairros na Zona Norte

Bolsonaro espera retomada de atividades no país em até quatro meses

Presidente da Fundação Palmares diz que tirou nome de Marina Silva de lista de personalidades negras

Traficante tenta subornar PMs com R$ 2 mil e acaba preso na Vila Carol

Vereadores votam ‘Vale-Remédio’ em 1ª discussão durante sessão desta 5ª