Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Abstenção na eleição cresce 124% entre eleitores de 18 anos e supera avanço dos mais velhos

Foto: Agência Brasil
Postado em: 14/12/2020

Compartilhe esta notícia:

José Marques, Leonardo Diegues e Diana Yukari, FOLHAPRESS


 Apesar de a eleição municipal ter ocorrido em meio a uma pandemia que tem como grupo de risco pessoas acima dos 60 anos, quem mais deixou de ir às urnas em comparação com a disputa de quatro anos atrás foram os jovens de 18 anos.


Em relação às eleições de 2016, a abstenção entre os eleitores que chegaram à idade obrigatória de votar teve um crescimento de 124% no primeiro turno. Considerando apenas os eleitores de 18 anos, 22,1% faltaram à eleição do primeiro turno deste ano.


Os números proporcionalmente são ainda mais altos nas duas maiores capitais do país. Em São Paulo, a ausência de eleitores de 18 anos cresceu 142%. No Rio, essa elevação foi de 159,1%.


Entre os eleitores com 19 anos, o percentual de crescimento da abstenção nacional ainda foi alto, mas bem menos significativo: 72,7%. Entre os de 20 anos, o aumento foi de 50%.


Mas a abstenção não aumentou só entre os jovens. Em todas as faixas etárias, se relacionadas ao pleito de 2016, cresceu o percentual de pessoas que deixaram de votar.


Nos extremos das idades em que a votação é obrigatória, todavia, esses números se acentuam. Entre os eleitores de 65 a 69 anos, houve um crescimento de ausentes na ordem de 78%.


Esse total representou aproximadamente 28% do eleitorado dessas idades. Na cidade do Rio de Janeiro a elevação dos ausentes de 65 a 69 anos foi de 101%. Em São Paulo, houve crescimento de 92,8%.


Ao fim das eleições, o próprio TSE (Tribunal Superior Eleitoral) avaliou que as condições neste ano, com a pandemia, foram propícias para que houvesse um número elevado de faltantes.


No primeiro turno, o índice geral foi de 23,1% – em 2016 foi de 17,5%. No segundo turno, a abstenção foi ainda maior, de 29,5% dos eleitores, enquanto em 2016 foi de 21,5%.


No último dia 29, após os dois turnos da eleição, o presidente do tribunal, ministro Luís Roberto Barroso, relacionou os números com a pandemia. Disse que o percentual de ausentes no segundo turno foi maior do que o desejado.


"Precisamos ter em conta que fizemos as eleições em meio a uma pandemia que consumiu 170 mil vidas, e pessoas com temor deixaram de votar, muitas por medo, outras por estarem com a doença e muitas por estarem com os sintomas", avaliou Barroso, em entrevista.


"Quando iniciou-se o processo eleitoral, temia-se uma abstenção colossal devido à pandemia, e não foi o que ocorreu", completou.


No caso dos jovens, porém, além da crise sanitária da Covid-19, a alta abstenção pode estar aliada a fatores como o desinteresse pela política, segundo especialistas.


A cientista política Flávia Babireski, do Laboratório de Partidos e Sistemas Partidários da UFPR, afirma que essa falta de apego à política pode ter sido aliada neste ano à facilidade em justificar a ausência por aplicativo, tanto no próprio dia da eleição quanto depois.


"Para quem não está mobilizado, o custo de não participar ficou muito baixo", diz Babireski.


Para o advogado eleitoral Rafael de Medeiros Chaves Mattos, membro fundador da Abradep (Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político), a pandemia se juntou a outros aspectos que já estavam afastando os jovens da política e, às vezes, fazendo-os questionarem a legitimidade da própria democracia representativa.


"A sensação é que há uma decepção com o sistema, e os jovens não percebem absolutamente nenhum movimento que tenha o mínimo de viabilidade de se estabelecer com sucesso e dar oxigenação à política, com novos nomes", afirma Mattos. "Isso [abstenção] acaba sendo uma retroalimentação dessa decepção."


Mattos aponta que, embora tenha encurtado o tempo de campanha e reduzido o horário eleitoral televisivo a partir de 2016, a legislação passou a dar maiores possibilidade de discussões políticas no período de pré-campanha, como a apresentação de projetos, o enaltecimento das qualidades pessoais de futuros candidatos e o angariamento de apoios. O pré-candidato só não podia pedir voto.


Contudo, avalia, isso não funcionou na prática, e essas discussões ficaram ainda mais limitadas. "A gente passou a encarar uma Justiça Eleitoral que enxerga pedido de voto em quase tudo", diz Mattos.


"Então aquela norma que tinha intenção de promover o debate antes do período eleitoral acabou sendo encarada como ainda uma norma que veda várias condutas, porque qualquer frase corre o risco de ser interpretada como pedido de votos."


Ao jornal Folha de S. Paulo, logo após o primeiro turno, o cientista político Antonio Lavareda disse que a taxa de abstenção havia crescido tanto que considerava que o Brasil pode ter adotado o voto facultativo "informalmente".


"O eleitor que não foi votar nessa eleição muito provavelmente não vai votar na próxima se não se vir motivado", disse ele. Outros especialistas relacionaram também à perda da força da antipolítica, o que tornou a eleição deste ano mais "fria".


Apesar do alto crescimento da abstenção entre as pessoas de 18 e 19 anos e de 65 a 69 anos, os mais velhos são os que menos vão às urnas. A partir dos 70 anos esse índice supera os 50% e, entre os 85 e 89 anos, já chega aos 90%.


Já as pessoas com título eleitoral aos 16 anos são as que menos se abstiveram de votar: os que não foram às urnas representam 14% do total. Ainda assim, esse percentual cresceu 31,7% em relação às eleições de 2016.


Com exceção das pessoas que têm mais de 75 anos e não são obrigadas a votar, os crescimentos menos significativos de abstenções estão nas faixas etárias que vão dos 30 aos 54 anos. Nesse intervalo, nacionalmente, o aumento está na casa dos 30%.


Os dados de abstenção nas eleições deste ano não incluem Macapá, a capital do Amapá, cujas eleições foram adiadas devido ao apagão no estado. A cidade só teve primeiro turno no último dia 6.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Vereadores aprovam orçamento de R$ 3,3 bilhões para 2020, com 135 emendas em primeira discussão

Escola “Leonor Pinto Thomaz” receberá premiação nacional por projeto audiovisual

Juíza determina quebra de sigilo telefônico de agressor de Bolsonaro

Jaqueline anuncia nova faixa horária para comércio, mas mantém abertura de 4 horas

Segundo Fórum Regional de Mudanças Climáticas recebe inscrição até domingo

Número de casos confirmados com a Covid-19 chega a 73 em Sorocaba; 47 pessoas já estão recuperadas