Foto: Reprodução Facebook

O Ministério Público de Sorocaba ingressou com ação na Vara da Fazenda Pública contra o vereador licenciado e atual secretário de Relações Institucionais e Metropolitanas da Prefeitura de Sorocaba, Marinho Marte, acusando-o de “tomar” dinheiro de seus assessores, com participação de seu chefe de gabinete, além de reportar “ameaças” dele contra as testemunhas. O processo, o qual o Ipa Online teve acesso exclusivo, corre em segredo de Justiça.

O promotor Orlando Bastos Filho pede ao prefeito José Crespo (DEM) o afastamento “imediato” do secretário de suas funções no Paço, sob o risco de “improbidade administrativa”. E ainda acusa Ilzo Lourenço Pereira e o advogado Joel de Araújo de coagirem as testemunhas do caso.

Segundo o MP, Marinho Marte, “sob ameaça de exoneração”, “toma parte dos vencimentos de seus assessores, para custear despesas geradas por empresa contratada para serviços de publicidade em redes sociais, a fim de alavancar a sua candidatura à reeleição [na Câmara]”.

O MP afirma que Marinho Marte “tomava” R$ 215 de cada assessor [no total de seis]. O dinheiro era “recolhido” por Ilzo. Orlando Bastos Filho informa ao juízo que todas as “tomadas de dinheiro eram feitas sob ameaça de exoneração”.

Após as eleições, conforme o MP nos autos, Marinho Marte continuou “tomando” de cada assessor a quantia de R$ 200, sob alegação de “dificuldades financeiras”. Também alega que o réu, ao menos desde janeiro de 2011 até dezembro de 2016, enquanto vereador, fazia com que seus assessores “arcassem com as despesas de Correios, em torno de R$ 50 a R$ 80 por mês de cada um deles”. Marinho Marte gabava-se de ser o vereador que menos gastava com despesas de Correios por mês na Câmara Municipal de Sorocaba.

Orlando Bastos Filho anexou aos autos gravações desses depoimentos, inclusive com citações de ex-assessores de Marinho Marte, que alegam ter sido coagidos por Ilzo e pelo advogado Joel de Araújo.

Uma testemunha nos autos disse a Orlando que Marinho Marte “ameaça de demissão quem não paga [os assessores]”. O vereador, prossegue o MP, chegou a pedir até a verba rescisória de uma assessora, sob a alegação de que “precisava fazer uma viagem recreativa”.

Por fim, Orlando Bastos Filho pede ao juiz Alexandre Dartanhan de Mello Guerra o afastamento de Marinho Marte da Prefeitura de Sorocaba, necessária à instrução processual, sob o risco de improbidade administrativa “sem prejuízo de remuneração”.

Outro lado

Procurado pelo Ipa Online, Marinho Marte informou que ainda não foi notificado da ação e que, dessa forma, não poderia falar a respeito do assunto. Segundo ele, o MP “o persegue” e que essa ação “seria algo pessoal do promotor contra ele”.

O advogado Joel de Araújo, também procurado pela reportagem, informou que não iria se manifestar sobre o assunto.

O chefe de gabinete de Marinho Marte, Ilzo Lourenço Pereira, não foi localizado pela reportagem.

A Prefeitura de Sorocaba, por meio do secretário Eloy de Oliveira, informou não ter sido notificada sobre o assunto.

4 Comentários

  1. Mas esse promotor tem que dar explicações do envolvimento pessoal que ele tem com a Fernanda ex assessora do vereador pq já vi eles várias vezez em clubes com ela em cenas romanticas bebendo na noitada e várias vezes comendo coxinha na padaria real perto da prefeitura em horário que ela deveria estar na Câmara trabalhando e devem investigar também pq ele como promotor recebe salário tão acima do teto acho que no passado o marinho deve ter tomado alguma mulher dele kkkk isso é perceguissao política primeiro crespo agora ele só falta Anselmo agora kkkk

  2. Não seria esse vereador que no passado foi “acusado” de adulterar notas fiscais para prestar contas para Câmara?

Comments are closed.