Emerson Vicente, FOLHAPRESS

Só 10% das mulheres que deixam de menstruar antes dos 40 anos engravidam de forma espontânea

No último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgado em 2014, em dez anos houve um aumento de 17,6% no número gravidezes após os 40 anos. Porém, o sonho da maternidade acaba para muitas que nem chegaram aos 40. São as acometidas pela falência ovariana precoce, ou menopausa precoce.

“Os hormônios alteram, falta ovulação e a menstruação fica irregular, cessando gradativamente até o desaparecimento. Assim, é constatada a falência ovariana prematura, que é natural em mulheres de 45 e 55 anos. Mas quando ocorre antes dos 40, consideramos precoce”, afirma Waldemar Pereira de Carvalho, ginecologista especialista em reprodução humana da Clínica Genics.

O período da menopausa começa 12 meses após a última menstruação.

Ao entrar em uma menopausa precoce, apenas 10% das mulheres conseguem engravidar espontaneamente. As chances aumentam com a fertilização in vitro, que ocorre em um processo onde o embrião é formado fora do corpo, depois introduzido no útero da mulher. É o chamado bebê de proveta.

“Quando a mulher posterga a maternidade, tem mais dificuldades para engravidar”, diz o ginecologista Alessandro Scapinelli, membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia). “A mulher nasce com uma reserva ovariana, que é gasta mês a mês. Vai chegar um período no qual haverá um esgotamento”, completa.

No caso de a mulher entrar em uma menopausa precoce, é necessário que ela procure ajuda médica, não apenas no que diz respeito à fertilidade. “Mulheres com falência ovariana precoce ficam mais sujeitas a doenças cardiovasculares e osteoporose”, diz Scapinelli.

Puberdade não influencia a menopausa

Segundo os médicos, a puberdade precoce, quando a mulher começa a menstruar cedo, em alguns casos ainda na infância, não está associada à menopausa precoce.

“Não influencia na menopausa precoce. A mulher já começa a perder folículos [estruturas onde são desenvolvidos os óvulos] desde o momento em que o ovário é formado”, explica o médico ginecologista Alessandro Scapinelli.