Por Gabriel Bitencourt

Problemas ambientais, temos aos montes, e isto não é exclusividade de Sorocaba, obviamente!

A arborização urbana é ruim em quantidade e qualidade; as políticas voltadas à proteção dos animais domésticos são insuficientes; a qualidade do ar da idade não é boa…

Poderíamos gastar páginas e páginas abordando os problemas socioambientais da cidade, mas hoje vamos falar “da metade cheia do copo”.

Quero abordar uma variável local muito importante para a região de Sorocaba, as energias renováveis.

Aqui temos empresas que produzem para a matriz eólica como a Woben Wind Power e a Tecsys e para a matriz fotovoltaica temos a Canadian Energia Solar, que é a maior fábrica no segmento no Brasil.

Sorocaba tem se destacado, fortemente, neste setor.

Tanto é que, em junho passado, foi lançado o primeiro Arranjo Produtivo Local, APL, do Brasil voltado para as energias eólicas e solar e que deverá brevemente ser formalizado.

De acordo com o Fernando Fernandes, sócio da Sfero Energia Solar, “Esta iniciativa é fundamental para a nossa região, pois estamos falando de uma nova forma de geração energia limpa e renovável. Este APL reúne empresas do setor de renováveis, governo, associações, instituições de créditos, ensino e pesquisa cooperando e aprendendo. Esta união de forças vai garantir a geração de novos postos de trabalho e consequentemente mais renda para a nossa região. ”

Cerca de 25 empresas da cidade irão fazer parte da APL.

Este conjunto de informações podem muito bem justificar a informação contida no título deste artigo.

Como se vê, notícias ruins temos às pencas, mas não devemos perder a perspectiva a importância de saudarmos as boas iniciativas.

Que nossa região use e exporte as boas tecnologias que nos permitam o conforto proporcionado pela energia elétrica sem os graves impactos das matrizes energéticas tradicionais.