Lívia Marra, FOLHAPRESS

Animais cegos precisam de cuidados especiais para que não se machuquem, sem deixar de lado as brincadeiras e interação com outros pets. Mas muitos tutores têm dúvidas de como agir nessa hora. Uma cartilha lançada pela Pedigree faz o caminho inverso ao das escolas de cães-guia e cria uma plataforma para capacitar humanos a cuidar de animais com deficiência visual.

São cinco videoaulas e 12 lições que ensinam, de forma didática, a passear na rua com segurança, desenvolver a memória do cão e a brincar de um jeito diferente e a criar uma rotina de alimentação e hidratação.

Uma delas, por exemplo, mostra como fazer uma espécie de para-choque canino, para evitar traumas por batidas em móveis ou paredes.

Em formato de e-book, o material tem criação da AlmapBBDO, é gratuito e pode ser consultado no site ou baixado para impressão em casa. As dicas valem para todas as raças e portes. O endereço da plataforma educacional é: humanguides.com.

DESAFIO

Assim como as pessoas, os pets também estão vivendo mais. E, com a velhice, uma série de problemas de saúde aparecem.

Conviver com um cão cego pode ser um grande desafio, mas é também uma experiência muito recompensadora, diz o médico-veterinário Pedro Guedes, especialista em cegueira canina e que ministra as vídeo-aulas.

Segundo ele, muitos tutores pensam que os animais nessa situação não conseguem se locomover ou que tem grandes dificuldades, mas nem sempre é verdade. “O pet também passa a se adaptar e a lidar com a cegueira. E, para ajudar os tutores a se adequarem a esta nova realidade, em Human Guides compartilhamos algumas dicas fundamentais para garantir que eles sejam felizes e vivam uma vida confortável, com qualidade.”

Embora o treinamento do tutor também seja importante em outros casos de deficiência, um animal cego pode ter conforto e segurança com medidas simples, afirma Valdir Nascimento, gerente de marketing da categoria de cães da Mars Petcare, responsável pela Pedigree.

Para ele, é importante entender as necessidades dos cães cegos, adaptar as interações e rotinas e fortalecer ainda mais os vínculos entre o tutor e o pet.

De acordo com Pernil, diretor de criação da AlmapBBDO, a agência faz vários projetos em parceria com a Pedigree, muitos deles estimulando a adoção de cachorros. No caso da plataforma, a ideia é retribuir a ajuda que os cães dão aos humanos com a mesma deficiência.

“A gente constatou que todo mundo sabe o bem enorme que um cão-guia traz a alguém com deficiência visual. E aí nos perguntamos: e um cachorro quando começa a ficar cego o que podemos fazer por eles? Como melhorar a vida deles assim como eles melhoram as de tantas pessoas? Então percebemos que este é um problema bem comum, ainda mais com os cães vivendo cada vez mais. Constatamos também que muitas das soluções e meios de ajudar os cães são muito simples”, afirma.