1988 - Ambientalistas ironizam o projeto do submarino nuclear, lançando um balão no formato de um submarino amarelo em frente a Aramar

Por Gabriel Bitencourt

Esta pergunta tem razão de ser por conta do fato da licença ambiental do Reator Multipropósito Brasileiro, concedida em 2015, ter sido anulada pela Justiça Federal. Pois é, este projeto, sem licença ambiental, que teve sua pedra fundamental lançada por Michel Temer, neste dia 08 de junho.

A ação que determinou a anulação da licença ambiental teve origem em arguições da Procuradoria da República acerca do fato de haver necessidade de autorização do Congresso Nacional.

Entre outras irregularidades apontadas na concessão da licença consta o fato da necessidade da Comissão Nacional de Energia Nuclear, CNEN, ter que apresentar um inventário de substâncias que possam provocar contaminação ambiental em caso de acidente.

Aliás, este – o perigo de acidentes e contaminações ambientais – foi o motivo de grandes mobilizações regionais em reação à implantação do projeto Aramar na década de 1980.
No início dos anos de 1990 houve, ainda, a denúncia de contaminação de funcionários daquela planta nuclear e do ribeirão Ipaneminha.

Tudo leva a crer que a atitude tenha sido mera peça de marketing de seu decadente governo.

Corrobora com esta tese o fato de que, recentemente, – em 08 de abril último – se comemorou 30 anos da inauguração do projeto Aramar.

Com toda esta estranha e questionável história, a pergunta que fica é: o que Michel veio fazer em Iperó?