Nossa redação foi procurada para uma queixa de “não atendimento” ao direito de um aluno da rede pública de Iperó. Em contato a mãe, moradora do bairro de George Oetterer – Iperó nos contou sobre a dificuldade na educação de seu filho Kauã que é deficiente auditivo, a escola onde o aluno estudava (E.M. Francisco Adolfo de Varnhagen – Visconde de Porto Seguro) possuía uma cuidadora exclusiva (Letícia) para o acompanhamento e desenvolvimento do aluno, porém a contratada cumpria regime de estágio.

esq. Kauã Felipe Pereira e Letícia a cuidadora

Após o vencimento do contrato a cuidadora não poderia mais permanecer no cargo e já tinha sua data prevista de saída. Foi então que a mãe sabendo das necessidades da criança e de seu “apego” a cuidadora entrou em desespero “quem vai cuidar do Kauã?, será colocada outra pessoa? a pessoa está qualificada?”, dúvidas que com certeza fazem a diferença na educação de um aluno especial. Começou então a luta para obter informações e saber que rumo tomaria a estadia do filho na escola. “Renata a mãe de Kauã nos contou que antes dos cuidados exclusivos de Letícia o aluno vivia isolado, sem entender as atividades escolares e chegou a presenciar o filho debaixo da mesa acuado sem nada entender”. São momentos como este que desesperam a mãe de uma criança com necessidades especiais.Sem saber do amparo da lei Nº 10.436, a mãe do aluno conseguiu contato direto com o atual vice-prefeito “Leonardo Folim”, em sua primeira conversa Leonardo se colocou à disposição e comunicou as secretarias responsáveis. Passado alguns dias a mãe do aluno ficou sabendo do término do período da cuidadora, sem entender dirigiu- se a diretoria que não soube informar a situação.

esq. Renata Aparecida Proença, ao lado vice-prefeito Leonardo Folim

Indignada a mãe entrou novamente em contato com Leonardo, o (vice-prefeito) ainda sem saber do desfecho se propôs a resolver pessoalmente, falando novamente com os responsáveis e levando adiante a situação da cuidadora. Foi então que uma notícia boa em meio a tempestade de incertezas. A atual cuidadora será efetivada, terá benefícios dos quais não se tem durante o estágio e um curso de aperfeiçoamento em libras custeado pela prefeitura.

Nosso portal prima pela transparência, e claro parabeniza pela eficacia e dedicação pessoas que como Leonardo Folim se solidarizam com situações como a de Renata, promovem atitudes que temos por obrigação. Mesmo amparada pela lei sabemos das dificuldades do estado em manter tais serviços. Sabemos das dificuldades diárias de mães de crianças especiais.

Agradecemos ao vice-prefeito e a sua equipe, e desejamos que a gestão atual tenha em sua máxima a preocupação com os alunos da rede pública, deficientes ou não. Esperamos poder noticiar situações como esta muitas e muitas vezes.

Parabéns Prefeitura de Iperó.

Veja e saiba mais sobre o mundo PCD em: www.pcdef.com.br
PCDef – diferente mas igual

1 Comentário

Comments are closed.