Um designer japonês teve uma ideia brilhante para tentar incluir ainda mais os deficientes visuais no dia-a-dia da sociedade: criar uma fonte tipográfica que une a escrita tradicional ao braile. A lógica por trás disso é permitir que cegos e outras pessoas possam compartilhar de uma mesma comunicação em um espaço comum.

Como? Da seguinte maneira: os pontos do braile aprecem em alto relevo e integrados aos caracteres tradicionais do alfabeto latino. O designer Kosuke Takahashi, criador da fonte Braile Neue, propõe que essa tipografia seja adotada já nos próximos Jogos Olímpicos, que ocorrem daqui a dois anos, em Tóquio, capital do Japão

Braille Neue é um tipo de letra universal que combina o braille com os caracteres existentes. O Braille Neue é composto por dois tipos – Braille Neue Standard, que é para o alfabeto inglês e Braille Neue Outline, que é para japonês e inglês.

Imagem:Divulgação

O objetivo é usar este conjunto universal para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020 para criar um espaço verdadeiramente universal onde qualquer pessoa possa acessar informações.

“Hoje em dia, raramente vemos o braile implementado nos lugares públicos, uma vez que essa comunicação necessita de um espaço adicional, sendo considerada por aqueles que têm visão como algo não importante”, diz Takahashi.

Imagem:Divulgação

Takahashi ainda afirma ainda que a fonte pode substituir as atuais sinalizações no espaço público, precisando apenas fazer alguns ajustes. “É fácil implementá-la na infraestrutura existente e é também um trampolim para um futuro mais sustentável e inclusivo após 2020”.

Veja e saiba mais sobre o mundo PCD em www.pcdef.com.br