UOL/FOLHAPRESS

Uma ex-médica da equipe olímpica da China acusou mais de 10 mil atletas do país de terem feito uso de substâncias proibidas. A denúncia foi relatada pela emissora alemã “ARD” nesta segunda-feira (23) e será investigada pela Wada (Agência Mundial Antidoping).

Em entrevista à “ARD”, Xue Yinxian afirmou que os atletas fizeram uso das substâncias proibidas entre os anos 1980 e 1990. De acordo com ela, o doping era algo sistêmico e acontecia em diversas modalidades. Xue teria sido demitida após se recusar a dar substâncias proibidas a uma ginasta.

Em nota oficial, a Wada ressaltou que o órgão antidoping só foi criado em 1999. Apesar disso, investigará o caso e pediu para uma equipe coletar e analisar as informações disponíveis sobre o assunto.

De acordo com Xue, o doping aconteceu no futebol, atletismo, natação, vôlei, basquete, tênis de mesa, salto ornamental, ginástica e levantamento de peso. Esse último, inclusive, voltou ao holofote no último ano, quando a China foi suspensa das competições por causa de seguidos casos de doping na modalidade.

A emissora “ARD” já havia noticiado outros dois casos de esquema de doping. O primeiro foi um sistema generalizado russo, que resultou na suspensão da equipe de atletismo na Rio-2016. Já o segundo envolvia atletas brasileiros, incluindo Roberto Carlos.