Discutir a relação, ou mais conhecida como a famosa DR, que muitos adoram e acham necessário (em geral as mulheres) e outros odeiam e julgam dispensável (em sua maioria os homens) faz parte de todo relacionamento amoroso. Mas afinal, para que serve e qual a importância de se discutir a relação? Faz bem ou somente trará à tona os problemas que o casal vem passando?

Antes das respostas, alguns dados para a gente refletir: segundo o livro The Science of a Good Marriage, de Tara Parker-Pope, jornalista de saúde e colunista do The New York Times, são as mulheres que iniciam 80% das discussões do casal. Outro dado relevante (e um tanto desanimador): uma pesquisa da Universidade do Estado de Ohio que seguiu 1 000 casais por 20 anos comprova que mesmo tendo vocês muitos ou poucos motivos para discutir, esse nível de conflito não tende a mudar ao longo da vida a dois.

Porém, independentemente de ser classificada como a queridinha ou a ordinária das relações, uma DR nada mais é do que conversar com seu parceiro(a) sobre o que se passa na relação de vocês. E a comunicação em um relacionamento amoroso é tão (ou até mais importante) que o sexo. Afinal, sem conversa, até o sexo não fica legal, não é mesmo?

O segredo na opinião de Divs é a forma da DR: sua abordagem, seus objetivos. Ou seja, tenha muito claro antes de uma DR onde se quer chegar com isso. Se algo no relacionamento vem incomodando, nada melhor do que sentar com a pessoa amada e conversar sobre aquilo que não está legal. Porém, também há o outro lado da moeda: se a pessoa tem o costume de querer discutir por qualquer detalhe do relacionamento, isso pode levar ao esgotamento de uma relação, porque não há quem aguente discutir o sexo dos anjos todos os dias, por exemplo.

Aqui vão algumas Dicas Divs para se fazer uma DR com o intuito de melhorar o relacionamento, ou seja, promover uma discussão saudável em torno de um objetivo comum.

– Se vocês tiveram uma briga recente, um momento de raiva ou qualquer outro sentimento negativo, saiba que este não é o melhor momento para uma DR. O ideal é ter consciência disso, esperar a poeira baixar e escolher outra ocasião para tocar em um assunto tão delicado;

-Toda DR gera uma reflexão. Esteja preparado também para ouvir e saber de coisas que podem não estar legais para sua cara metade e esteja disposto(a) a refletir sobre o assunto;

– Situações do passado e de outros relacionamentos não ajudam em nada neste tipo de conversa. Foque sempre em vocês dois e no seu relacionamento;

– A comunicação é essencial para um casal assim como o sexo. Se você não conversa com seu parceiro (a), talvez esteja na hora de não apenas conversar com ele(a) sobre tudo o que sente (e levar em consideração as coisas que te incomodam). Expor os sentimentos é saudável e faz muito bem para ambos os lados;

– Saiba diferenciar na sua relação o que dá para ser levado adiante e ajustado no dia-a-dia sem precisar necessariamente de uma DR sobre o assunto. Equilíbrio é tudo. Não seja o chato da DR.

– Não queira mudar o seu parceiro(a). Você o(a) escolheu e sabe a sua essência. Estamos aqui para evoluir como seres humanos, mas ninguém pode ser mudado. Isso depende de nós mesmos;

– Respeite as vontades e individualidade do próximo. Vocês não precisam concordar em tudo e nem ter a mesma opinião sobre todos os assuntos. São pessoas distintas e isso é ótimo!

– Se valorize. Se você tem um parceiro(a) que nunca está aberto a discutir sobre o relacionamento, se você sente que está nessa sozinho(a), reveja se este relacionamento continua fazendo sentido para você.

E você? Gosta de uma DR ou prefere fugir delas? Conta pra gente!

Até semana que vem!

Grande beijo,
DIVS